Depois de 15 anos, enfim o Chile voltou a sentir o gosto de vencer o Brasil. Nesta quinta-feira (8), no estádo Nacional, em Santiago, os chilenos cresceram no segundo tempo, marcaram com Vargas e Sánchez e impuseram ao Brasil sua primeira derrota na história em estreias de Eliminatórias. Agora, a equipe comandada por Dunga recebe a Venezuela, na próxima terça-feira, em Fortaleza, pela segunda rodada.

Mas para quem esperava um grande jogo, repleto de alternativas e lances de ataque, o primeiro tempo decepcionou. Ambas as equipes demonstraram muito respeito nos minutos iniciais e pouco se lançaram ao ataque. O Brasil tentava ensaiar uma pressão nos avanços de Douglas Costa pelo flanco esquerdo e nos arremates de média distância de Hulk.

Publicidade
Publicidade

O Chile respondia com o sempre animado Aléxis Sánchez, que carimbou a trave de Jefferson ainda na primeira etapa.

Atual campeão da Copa América e há mais de seis meses sem perder, o Chile sentia falta da presença do meia Charles Aránguiz, ex-Inter, lesionado em seus primeiros treinamentos no Bayer Leverkusen, da Alemanha. Sem ele, a habitual intensidade e troca rápida de passes não foram vistas com a mesma frequência de outros jogos. Ciente das dificuldades do seu time, o técnico Jorge Sampaoli resolveu mudar antes mesmo do intervalo.

Antes do final do primeiro tempo, o comandante chileno sacou o zagueiro Silva, abriu mão do uso de três defensores e colocou o meia González. A mudança surtiu efeito já no início do segundo tempo, quando os mandantes passaram a empurrar o Brasil para o próprio campo e, mesmo cedendo espaço aos contra-golpes, estiveram mais próximo de abrir o placar.

Publicidade

A superioridade chilena a partir da mudança tática não demorou a se traduzir no placar. Aos 27 minutos da segunda etapa, o atacante Eduardo Vargas aproveitou uma cobrança de falta na primeira trave e desviou para o gol de Jefferson, que ainda raspou na bola antes dela entrar. No fim, o golpe fatal. Em uma linda triangulação pela direita com Vidal, Sánchez, o melhor em campo, empurrou para dentro e deu números finais ao duelo: 2x0.

Em sua entrevista coletiva concedida após o embate, o técnico brasileiro Dunga fez questão de ressaltar pontos positivos em sua equipe. Para ele, a partida estava igual até o momento do primeiro gol do Chile e lamentou erros no último passe.

“Claro que perder ninguém gosta, mas a partida estava bem igual até sofrermos o gol. Conseguimos controlar bem a bola, especialmente no primeiro tempo. No segundo, tivemos mais espaço para jogar, mas não tomamos as melhores decisões no último passe. Depois sofremos um gol de bola parada, e sabíamos que essa bola rápida na primeira trave era uma jogada forte.

Publicidade

Mas até o gol deles, foi um jogo bastante parelho”, analisou Dunga.

Na terça-feira, às 22h, o Brasil volta a campo pelas Eliminatórias para enfrentar a Venezuela, que perdeu por 1x0 para o Paraguai na primeira rodada. Se serve de alento, certamente o estádio Castelão, em Fortaleza (CE), estará lotado. Para voltar a vencer, nada melhor que o carinho do torcedor. #Entretenimento #Futebol #Seleção Brasileira