José Mourinho e seu gestor Diogo Gaspar Correia não declararam o montante total do negócio que ambos fizeram quando o técnico comprou uma quinta enorme em Setúbal, terra natal de Mourinho, no valor de dois milhões de euros. Segundo informa o jornal “Expresso”, o seu gestor, devido a uma enorme investigação que as autoridades portuguesas estão fazendo no caso “Operação Marquês”, teve de confessar que os 500 mil euros que tem em uma conta na Suíça, são na verdade o dinheiro que não foi declarado ao fisco no negócio. Sabe-se agora que Mourinho já pagou a dívida e a multa respectiva, no valor de 33 mil euros.

Um dos melhores técnicos do mundo está atravessando um momento muito negativo em sua vida profissional e pessoal.

Publicidade
Publicidade

Se no Chelsea os resultados têm sido muito abaixo das expectativas, o caso da alegada agressão a uma criança nas ruas de Londres também manchou a imagem pública do famoso técnico, que é conhecido por agir de cabeça quente muitas vezes.

Porém, o jornal “Expresso” revelou hoje, dia 24 de outubro, que José Mourinho também não cumpriu com todos seus deveres, depois de, juntamente com seu gestor, ter declarado somente 1,5 milhões de euros, no negócio da compra da sua quinta, em 2008, quando de fato ele teve que pagar dois milhões de euros para ser o proprietário. Os 33 mil euros de dívida já terão sido pagos por José Mourinho ao Estado Português, mas essa polêmica não ajuda nada o momento crítico que o técnico está atravessando.

Nas redes sociais, essa fuga ao fisco está provocando algum espanto por parte dos internautas, que não entendem como uma pessoa que ganha tanto dinheiro pode sequer pensar em fugir aos seus compromissos fiscais.

Publicidade

Resta agora saber se o emotivo técnico vai reagir já na próxima coletiva de imprensa em mais uma polêmica que promete atormentar os próximos dias de José Mourinho, que está passando mal em Londres, sobretudo por causa da torcida do Chelsea que está muito descontente e já começam exigindo uma mudança drástica o mais rapidamente possível, antes que seja tarde de mais. #Justiça #Europa #Imposto de Renda