Os escândalos não param no mundo do futebol. São muitas acusações e investigações, e coisas muito sérias ainda estão por vir à tona. A FIFA declarou nesta quarta-feira (21) que o ex-presidente da CBF, Ricardo Teixeira, e o ex-jogador alemão, Franz Beckenbauer, estão sendo investigados pelo Comitê de Ética da entidade, sob a acusação de terem violado o referido Código.

Ainda segundo o comunicado, existem vários outros envolvidos nesta investigação, na qual, aparecem nomes bastante influentes no meio do #Futebol, tais como:

Ángel Maria Villar Llona, que é nada mais do que o Presidente da Federação Espanhola de Futebol e mandatário em exercício da UEFA.

Publicidade
Publicidade

Worawi Makudi, que é o atual secretário-geral da Associação de Futebol da Tailândia.

Amus Adamus, que já fez parte da comissão executiva da Fifa.

Eugenio Figueredo, ex-diretor da Comebol.

Nicoláz Leoz, também ex-presidente da Comebol.

Outra investigação, que também está sendo feita pelo Comitê de Ética da FIFA, sobre um suposto pagamento de 2 milhões de francos suíços (R$ 8,3 milhões) favorecendo Joseph Blatter e Michel Platini, depositado para o francês em fevereiro de 2011 pelo mandante da FIFA na época.

Ainda segundo a FIFA, há um décimo primeiro nome que também entrou para a lista de investigados. Trata-se de Jorôme Valcke, que foi retirado das funções de secretário-geral da entidade, por estar envolvido em um suposto esquema de venda de ingressos para a última Copa, realizada no Brasil em 2014.

Publicidade

Entre as investigações, as que andam mais avançadas são as dos casos de Villar Llona e Beckenbauer, que, segundo o Comitê de Ética da FIFA, já estão com a Câmara de Decisão. Foi em 2007 que beckenbauer entrou para o Comitê. Ele também fez parte do Comitê que escolheu as sedes da Copa do Mundo de 2018, Rússia, e Qatar, em 2022.

Já em 2014, ele teve seu afastamento da FIFA decretado por não querer colaborar com as investigações dirigidas pelo Comitê de Ética, sobre irregularidades na escolha do Qatar como sede da Copa do Mundo de 2022. Quando as suspeitas de corrupção das escolhas das sedes da Copa explodiram, Beckenbauer, em 2011, decidiu se desfiliar do Comitê Executivo da FIFA. Sua alegação foi problemas familiares. #Blasting News Brasil #Corrupção no futebol