Para os gremistas de São João do Oeste, não há distância capaz de afetar o amor pelo clube. No último domingo, uma comitiva formada por torcedores e sócios tricolores do município catarinense encarou a aventura de viajar 550 km até a Arena para conferir a vitória do #Grêmio por 2x0 sobre o Flamengo, pelo Brasileirão. Estilizado com as cores e o distintivo gremista, o veículo foi uma atração à parte e ganhou notoriedade ao ser recebido pelo presidente Romildo Bolzan Jr, que elogiou a paixão dos torcedores.

Paixão que vem de berço. Com cerca de 6.200 habitantes, São João do Oeste é uma cidade essencialmente gremista. Ligado ao Rio Grande do Sul, sobretudo pelas fortes raízes alemãs, o município de Santa Catarina tornou-se o embrião da paixão tricolor pelo o oeste do estado e passou a disseminar o amor ao clube com encontros em outras regiões.

Publicidade
Publicidade

O desejo dos torcedores em se manterem conectados com o Grêmio foi o motivo para a criação de uma Associação Gremista na cidade, ainda em 2007.

“Eu sou gremista de berço por influência dos pais e parentes. A nossa região aqui tem muita identificação com o Rio Grande do Sul e em São João temos muitos torcedores do Grêmio. Com isso, fundamos a Associação em 2007 e criamos uma sede em 2011, que serve especialmente para acompanharmos muitos jogos, já que Porto Alegre é muito longe e só íamos aos jogos organizando excursões”, salienta Jonathan Grasel, cônsul gremista de São João do Oeste desde 2009.

Sem demora, a Associação tornou-se referência na região e despertou a atenção da comunidade gremista espalhada por toda Santa Catarina. Buscando expandir o grupo, Grasel e demais membros da “alta cúpula” se mobilizaram para fazer caravanas difundindo os ideais gremistas em cidades vizinhas.

Publicidade

Só que um detalhe ainda surgia como obstáculo para o crescimento do projeto: a locomoção.

“Começamos a participar de encontros de gremistas por toda a região, divulgando e buscando novos sócios. Agora, obviamente, nosso povo gosta de tomar uma cerveja e é inadmissível que alguém dirija nessas condições. Então surgiu a ideia: “por que não compramos uma kombi?”. Com isso, sempre teríamos um motorista da rodada. Juntamos um grupo de 18 pessoas, rachamos as despesas e a ideia de ir a um jogo em Porto Alegre surgiu depois das viagens curtas que fazíamos por aqui”, relembra Grasel.

Ídolo também faz exigência

Em 2013, com a Kombi já conhecida e admirada por gremistas de Santa Catarina, surgiu entre o grupo a ideia da expedição “Até de Kombi nós Iremos”, em uma alusão ao hino do Grêmio. Foi assim que brotou o projeto de viajar com o estiloso veículo mais de 550 km, assim como no último domingo, apenas para ver o tricolor em campo.

Antes disso, como se fosse um verdadeiro ponto turístico, a Kombi Gremista dos torcedores de São João do Oeste recebeu ilustres visitantes.

Publicidade

Antigas lendas do Grêmio como Paulo Nunes, Jardel, Carlos Miguel e Dinho já participaram de eventos e tiveram a oportunidade de entrar no famoso veículo. Sem bem que Dinho não se contentou em apenas entrar...

“Em um evento aqui no nosso município em 2013, o Dinho foi convidado para desfilar em uma carreata dentro da Kombi. Tivemos certo receio, não sabíamos como ele iria encarar o convite. Só que a resposta dele nos surpreendeu e nos rendeu várias gargalhadas. Ele disse: “Eu só vou se puder ir dirigindo”. E foi assim. No 6° Encontro de Gremistas aqui da cidade, Dinho dirigiu a Kombi Tricolor”, se diverte Grasel.

De olho na Libertadores de 2016, em que dificilmente o Grêmio ficará de fora, Grasel e os demais gremistas lamentam que os jogos sejam sempre no meio de semana, o que dificulta o equilíbrio entre horário de trabalho e 11 horas de viagem. Mas, onde estiver, a Kombi Gremista certamente estará espalhando amizade, alegria e amor por um clube, mostrando que não, não se trata apenas de um jogo de #Futebol. #Curiosidades