A atual boa relação que Andy Murray tem com os ingleses, que certamente se potencializará depois da épica conquista da Copa Davis nesse final de semana, nem sempre foi marcada por passagens bonitas e respeito mútuo entre ambas as partes. Nascido na pequena cidade escocesa de Dunblane, Murray sempre foi obrigado a conviver com a sina de ser “menos britânico” que outros tenistas contemporâneos.

Com uma imprensa sempre presente, combativa e por vezes ligadas aos boatos e polêmicas, a Inglaterra viveu uma relação de amor e ódio com Murray desde o início da carreira do tenista. O primeiro capítulo dessa novela ocorreu em 2006, e nem era o #Tênis o esporte que estava envolvido no centro da polêmica.

Publicidade
Publicidade

Com a Escócia fora da Copa do Mundo de futebol da Alemanha em 2006, alguns jornalistas ingleses perguntaram a Murray para qual seleção ele torceria, já que a sua não participaria daquela edição. Sorrindo, o tenista tentou se divertir com os repórteres, mas sua declaração não pegou bem: “Qualquer uma, desde que não seja a Inglaterra”. A frase desencadeou uma série de críticas da imprensa ao então jovem tenista de 19 anos.

Em outras entrevistas ainda quando estava despontando como uma promessa no tênis, Andy chegava a brincar sobre a sua nacionalidade: “Olha, quando eu estou jogando bem e ganhando #Jogos, sou britânico. Mas quando perco e jogo mal, sou escocês”, ironizava, fazendo alusão à forma como os periódicos esportivos o tratavam.

A relação começou a melhorar quando Murray começou a se afirmar como um grande jogador e deu mostras de que poderia ajudar a Grã-Bretanha a encerrar uma série de incômodos jejuns no tênis.

Publicidade

Em 2013, ao vencer Novak Djokovic na final, ele voltar a dar um título de Wimbledon aos britânicos, algo que não acontecia desde 1936.

Agora, ele surge como o grande nome do time britânico na conquista da Copa Davis de 2015, feito que os ingleses não comemoravam há 79 anos. Em toda a campanha, Andy Murray venceu 11 jogos em 11 disputados, com um 100% de aproveitamento fundamental para a conquista. Com esses números, não há mais espaço para o ódio na relação. #Entretenimento