Certamente o ano de 2015 e principalmente o último dia 21 de outubro (já virou passado novamente) foi uma grande data para os amantes do cinema e para quem é fã da trilogia "De Volta para o Futuro", pois foi neste dia que, Marty McFly (estrelado por Michael J. Fox), acompanhado do Dr. Emmet Brown (estrelado por Christopher Lloyd), chegaram no futuro do segundo filme da franquia, partindo de 21 de outubro de 1985.

Se McFly fosse brasileiro e estivesse ligado no que acontecia no #Futebol nacional em 1985, talvez pudesse imaginar que o então Brasil tricampeão mundial, já tivesse muito mais que os três títulos, e que os nossos clubes fossem verdadeiras escolas para qualquer time do mundo.

Publicidade
Publicidade

É certo que, de fato, algumas situações evoluíram (especialmente Tite e o Corinthians), conquistas chegaram, mas a transformação negativa, acelerada pelos vexames recentes (dentro e fora de campo), com certeza deixou Marty McFly um tanto decepcionado com o futebol brasileiro.

Confira o que McFly saindo de 1985 não encontrou no futebol brasileiro em 2015:

POTÊNCIA EM 1985, O FUTEBOL DO INTERIOR VIROU MERO COADJUVANTE

Como era tradição e garantia de sucesso, o grande celeiro do futebol brasileiro foi o interior, abastecendo os grandes das capitais com seus talentos, que posteriormente estariam na Europa (ainda que não fosse prioridade ou obsessão na época) e depois integrariam a #Seleção Brasileira.

O maior exemplo de como o futebol brasileiro mudou; em 1985, antes da ida de Marty Mcfly para o futuro, o título do Campeonato Brasileiro foi disputado entre Coritiba e Bangu, na qual o Coxa foi campeão, em uma partida histórica decidida nos pênaltis em um Maracanã lotado.

Publicidade

Mesmo o Coritiba sendo um time de expressão, jamais conseguiu repetir o feito. O Coxa figurou entre idas e vindas para a segunda divisão do Campeonato Brasileiro, e em 2015, mais uma vez briga contra a degola.

O Bangu então nem se fala, uma verdadeira pedra no sapato dos grandes do Rio, um dos primeiros times no Brasil a ter negros e operários no elenco, atualmente vive entre a segunda e a primeira divisão do futebol carioca. A última vez que disputou uma competição de nível nacional, foi a Copa do Brasil em 2013.

Exemplos de como o interior foi engolido pela falta de apoio das federações, TV; pelo trabalho oneroso dos muitos empresários que tratam os clubes menores como meras barrigas de aluguéis. 

O futuro além de 2015 não apresenta boas perspectivas para o futebol do interior, sendo capaz de Marty Mcfly ir para o ano de 2050 e ainda encontrar as mesmas terras arrasadas.  

O FUTEBOL BRASILEIRO ADOECEU   

McFly e 'Doc' Brown também não encontraram a seriedade do futebol brasileiro em 2015. Chegaram em meio a uma profunda crise política, rodeado por escândalos, a ponto do ex-presidente da CBF (José Maria Marin) estar preso nos Estados Unidos, e o atual (Marco Polo Del Nero) faltar a todos os compromissos internacionais por medo de ser preso também.

Publicidade

Além de ver que a Seleção Brasileira carrega o vexame do 7 a 1 e não é mais respeitada pelos adversários, algo inimaginável na década de 60, 70, 80, onde o Brasil era referência no futebol mundial. Fatos que respingam nos clubes e enfraquece qualquer tipo de credibilidade.

Mediante a tantos problemas, talvez a solução para o futebol brasileiro tivesse sido um 'DeLorean' (veículo modificado e utilizado por Doc Brown para ir e voltar do futuro), mudando assim a origem dos fatos, evitando essa cilada na qual o esporte mais amado do país se meteu.       #Corrupção no futebol