O alemão Michael Schumacher não foi somente o piloto mais vitorioso de todos os tempos da Fórmula 1, ele foi também o mais inovador no que diz respeito a técnica de pilotagem e a estratégias para o seu carro. Segundo um engenheiro da equipe Benetton, Willem Toet, o carro de Schumacher tinha três velocímetros.

Esse estranho pedido de Michael Schumacher era uma observação à frente do tempo, pois o pedido foi feito na década de 90, quando ainda nenhum carro de fórmula 1 tinha velocímetro. Mas Schumacher não queria apenas um velocímetro; ele pediu para a sua equipe, na época a Benetton, que fossem instalado três velocímetros no painel do seu carro.

Publicidade
Publicidade

Schumacher não queria apenas ver a velocidade que percorria em cada momento com seu carro, mas avaliar cada traçado e a velocidade pertinente a cada curva em um velocímetro; a velocidade que seu carro atingiria antes de frear, em outro velocímetro; e o terceiro serviria para verificar a velocidade máxima que seu carro atingiria durante a corrida.

O pedido do alemão foi recebido como se fosse uma piada pelos engenheiros da equipe Benetton, pois os velocímetros que Schumacher queria que fossem instalados em seu carro teriam a mesma função de um tacógrafo, que daria gráficos detalhados de velocidade durante todo o percurso que o carro percorreria.

“Carro de Fórmula 1 com tacógrafo” era o que diziam os engenheiros dando risadas e debochando do pedido de Schumacher. Mal sabiam eles que Schumacher estava se preparando para o futuro e para ser o piloto mais vitorioso da história.

Publicidade

 Willem Toet explicou que após algum tempo a ideia de Schumacher foi sendo assimilada e que após inúmeras explicações do próprio Schumacher, a equipe começou a entender o raciocínio e realizou o desejo do alemão.

Schumacher, "engenheiro" entre engenheiros

Schumacher explicou aos engenheiros que gostaria de saber a velocidade nas saídas das curvas em 3ª e 2ª marcha, e fazer uma comparação na aceleração. Queria saber também se nas mudanças de marcha havia perda de aceleração e se nas frenagens havia muita perda de velocidade.

O painel do carro foi equipado com os velocímetros e displays que faziam comparativos da última curva com a curva atual e comparativos de frenagem, para que Schumacher tivesse referências e ele pudesse buscar sempre um melhor desempenho.

Essa é uma história da genialidade de um grande piloto de Fórmula 1. Nessa equipe, a Benetton, Schumacher foi campeão mundial duas vezes, em 1994 e 1995. #Entretenimento #Automobilismo