A genialidade em campo sempre foi diretamente proporcional ao jeito polêmico de ser. Ronaldo Fenômeno deu, dá e ainda dará muito o que falar enquanto for essa figura representativa no mundo da bola e também fora dele. Nessa semana, o ex-craque foi alvo de uma grande polêmica ao ser criticado pelo seu técnico no #Real Madrid, em 2006, o italiano Fabio Capello.

Os dois estiveram juntos no segundo semestre de 2006 e não tiveram um relacionamento tranquilo. Quase dez anos depois, as farpas trocadas nessa semana evidenciam o clima ruim que imperava no Santiago Bernabeu naquela época. No início de 2007, Ronaldo se transferiu para o Milan, da Itália, e deu adeus ao Real Madrid e ao seu algoz treinador, que assim definiu o Fenômeno nessa semana:

“Com certeza, Ronaldo foi o maior jogador que eu já treinei na minha carreira.

Publicidade
Publicidade

Mas ele se apresentou em Madrid com cerca de 96 kg. Pedi que pelo menos reduzisse e chegasse nos 88 ou 90 kg. Claro que ele era um grandioso atacante, mas acabava servindo como um líder negativo para os demais companheiros no grupo”, disparou o italiano em entrevista ao periódico La Gazzetta dello Sport.

“Como vendemos ele em janeiro ao Milan, o clima no Santiago Bernabeu mudou radicalmente. E aí nós demonstramos força para reverter uma vantagem de quase nove pontos do Barcelona e terminamos campeões da Liga Espanhola naquela temporada”, acrescentou Capello.

Forma física na Copa já não era a ideal

De fato, era nítido que a forma física de Ronaldo no ano de 2006 não era das melhores. Titular da Seleção Brasileira durante a Copa do Mundo da Alemanha, disputada no mesmo ano e vencida pela Itália, o camisa 9 não teve o mesmo desempenho de quatro anos antes, quando havia sido o grande nome brasileiro rumo ao pentacampeonato na Coreia e no Japão.

Publicidade

Mesmo fora de forma e com um rendimento abaixo do esperado, Ronaldo fez três gols naquele mundial (dois contra o Japão, na primeira fase, e um contra Gana, nas oitavas de final) e se tornou então o maior artilheiro da histórias das Copas – marca que o alemão Miroslav Klose bateu na Copa de 2014. Em entrevista à Folha, o ex-centroavante do Corinthians rebateu e pagou na mesma moeda as críticas de Capello.

“O Capello foi um excelente treinador durante a sua época, que era na década de 90. Quando foi para o Real Madrid, estava claro que era um técnico ultrapassado e não conseguia motivar ninguém mais. Tanto é que nunca mais teve grande sucesso nos outros trabalhos depois daquele”, disse Ronaldo.

Depois de sair do Real Madrid, Ronaldo iniciou sua caminhada no Milan, da Itália, mas uma grave lesão no joelho o atrapalhou logo na arrancada da temporada de 2008. No final daquele ano, recuperado, ele anunciou retorno ao Brasil. Vestiria a camisa do Corinthians. Já em 2009, foi um dos grandes nomes do Timão na conquista do Campeonato Paulista e da Copa do Brasil, sobre o Internacional.

Publicidade

Em 2010 e 2011 voltou a apresentar problemas com a balança e teve sucessivas lesões. Optou por pendurar as chuteiras ainda no princípio de 2011. #Futebol Internacional