O sorteio da chave havia ajudado. Depois de ter pela frente rivais de alto nível logo de cara nos últimos Grand Slams, o brasileiro Thomaz Bellucci deu sorte no Australian Open 2016 e caiu em um emparelhamento bastante acessível para quem não era cabeça de chave. Na primeira rodada, encarou o tenista australiano Jordam Thompson, que havia sido convidado pela organização.

Embora não tenha sido muito exigido, o principal tenista brasileiro demonstrou consistência e passou com facilidade por Thompson, número 149 do mundo. Em 1h30, o paulista aplicou 6/2 6/3 6/2 e se credenciou para a segunda rodada do Grand Slam australiano.

Publicidade
Publicidade

Teria, então, uma nova oportunidade de passar, pela primeira vez na carreira, à terceira fase do torneio.

Mas a decepção veio. Pela frente, Bellucci teve o norte-americano Steve Johnson, 31° cabeça de chave, e das possibilidades de confronto de segunda rodada antes do sorteio, certamente se tratava de uma das opções mais viáveis. Mesmo, em tese, tendo o mesmo nível do oponente, Bellucci esteve irreconhecível na madrugada desta quinta-feira (21) e não foi páreo para Jonhson, que com espantosa facilidade despachou o brasileiro com parciais de 6/3 6/2 6/2.

Dessa forma, o Brasil não tem mais representantes nas chaves de simples masculina e feminina, já que Teliana Pereira também foi derrotada na estreia. Na dupla, Bruno Soares (ao lado de Jamie Murray), Marcelo Melo (ao lado de Ivan Dodig), Thomaz Bellucci e Marcelo Demoliner (juntos) seguem vivos na competição.

Publicidade

#Entretenimento #Tênis