Dono de sacadas inteligentes no #Futebol, como a ideia de um cemitério para torcedores (cuja previsão de inauguração foi alterada para o final de 2016), o Sport Club #Corinthians, atual campeão brasileiro chega com outra ideia inovadora. O diretor cultural do clube, Donato Votta, revelou em entrevista à Gazeta Esportiva, que já nos primeiros jogos oficiais do time paulista, o torcedor poderá visitar o Museu do Povo, que será instalado no estádio, situado no bairro de Itaquera.

A ideia principal é que o material que será exposto no museu venha por meio de doações dos torcedores, para serem exibidos a toda a nação corintiana.

Publicidade
Publicidade

Segundo Donato, o clube já recebeu várias doações importantes para o projeto, como faixas de campeão originais do clube (como uma de 1977), e vários jornais posteriores às datas das conquistas. Inclusive, "tem um monte de A Gazeta Esportiva ali", complementou Donato ao repórter.

O diretor também afirma que a Arena Itaquera está organizando um sistema de tour no estádio, que deve estar aberto ainda nesse semestre. O museu seria parte dessa tour, assim como a visita à Calçada da Fama, que deve ser transferida em março. Para exibir o material do museu, será instalada uma prateleira dupla de ponta a ponta no setor oeste do estádio.

É importante frisar que o clube já possui um Memorial, instalado no prédio administrativo do clube, no Parque São Jorge. O valor da entrada é de R$ 15, e apresenta aos pagantes a variedade de troféus conquistados pelo clube, além da Calçada da Fama.

Publicidade

Quanto ao museu, ainda não se sabe se será cobrada a visitação antes da tour. A certeza é de que antes de ela ser inaugurada, o museu já estará disponível. 

A doação de material que o torcedor fizer para o museu deve ser em caráter provisório, segundo as palavras de Donato. "O próprio torcedor vai emprestar o material histórico que tem guardado em sua casa para todo mundo ver. Se você possui uma coleção de camisas autografadas do Corinthians, por exemplo,  poderá deixar no estádio por cinco, seis meses". Fato que nos leva a entender que o acervo do museu será rotativo.