Mais um gigante do #Tênis mundial se aposentou. Aos 34 anos, o australiano ex-número um do mundo, Lleyton Hewitt, encerrou sua participação no circuito profissional. O solo sagrado de Melbourne foi o último palco de um tenista considerado um símbolo da raça. Atleta de técnica apurada e sedento por vitórias, valorizou tudo o que conquistou na carreira e fez uma partida de alto nível contra o ótimo David Ferrer. Saiu derrotado por 3 sets 0 (parciais: 6/2, 6/4 e 6/4), mas deixou tudo em quadra.

Hewitt não foi o melhor tenista da história da Austrália, até porque teria a ingrata missão de ter que superar Rod Laver, um mito do país e único da história a faturar todos os Grand Slams em uma mesma temporada como atleta amador e profissional.

Publicidade
Publicidade

Lleyton não foi Laver, mas encerrou um ciclo de 18 anos de muito sucesso. Ao todo foram 872 partidas disputadas na carreira, faturando 613 vitórias e 30 títulos. Com estilo agressivo, um forehand poderoso, Hewitt triturou muitos adversários jogando no fundo da quadra. Jogadas perdidas não existia para o australiano, que se notabilizou por proporcionar partidas com longas trocas de bolas.

Com pouco tempo de carreira no fim dos anos 90, Hewitt já era tido como um fenômeno e apontado com frequência para assumir o posto de número um do mundo. Ascensão meteórica. Em três anos no circuito profissional, o australiano derrubou geral e figurou no topo do ranking da ATP em 2001, sucedendo outro fenômeno chamado: Guga.

Lleyton Hewitt assumiu o posto de melhor do mundo com apenas 20 anos e 8 meses, o mais jovem da história a atingir tal façanha.

Publicidade

Feito valorizado por uma época repleta de tenistas considerados fora de série. Foram 80 semanas no topo do ranking e um auge de aproximadamente cinco anos, até ser atormentado por inúmeras lesões; algo como uma resposta do próprio corpo ao esforço e a dedicação incondicional ao longo de uma carreira vitoriosa.

Entre os 30 títulos de Hewitt, destaca-se o US Open 2001 diante do maior saque voleio do esporte, Pete Sampras, e Wimbledon 2002, contra o argentino David Nalbandian. O australiano ainda faturou os bicampeonatos do Master de Indian Wells e do ATP Finals, além de outras conquistas em simples e duplas.

Dentro das quadras, o talento de Hewitt ainda poderá ser visto no jogo de duplas, o australiano joga com a compatriota Sam Groth. Em simples, 'Mate' já ficou para a história.

#Entretenimento #Resenha Esportiva