A harmoniosa relação de parceria entre a Sociedade Esportiva Palmeiras com a construtora de seu estádio, a empresa WTorre, parece estar balançando devido a desentendimentos de origem financeira.

A diretoria do Palmeiras anda insatisfeita com a WTorre pelo não cumprimento de obrigações referentes a eventos que foram realizados no Allianz Parque e também sobre um valor referente ao aluguel do estádio do Pacaembu, que é municipal, em duas partidas feitas no ano passado contra Grêmio e Sport.

Valor da dívida que é cobrada pelo #Palmeiras

O Palmeiras cobra um montante de R$ 2,8 milhões da construtora e até agora não viu a cor do dinheiro.

Publicidade
Publicidade

WTorre reconhece dívida mas alega que Palmeiras também está devendo

A construtora reconhece a dívida mas alegou que somente irá pagar esse valor ao Palmeiras após o clube paulista também sanar dívidas referentes à manutenção do estádio em dias de jogos, contas de água, luz, manutenção do gramado e com empresas de segurança - que segundo ela, eram obrigações do Palmeiras.

O montante total que a WTorre quer receber do Palmeiras, com as despesas descritas acima, é de R$ 4,4 milhões, dívida que a diretoria palmeirense desconhece e que já declarou que não irá pagar.

Ao que parece pendências financeiras somente serão resolvida na #Justiça

E dessa forma o impasse continua e ao que tudo indica somente será resolvido através de um acordo judicial. Além de problemas de dívidas, o Palmeiras também reclama do repasse da construtora na realização de eventos e shows.

Publicidade

O acordo contratual que existe é que a cada evento realizado no estádio seja feito um repasse de 20% no valor da arrecadação total e ao que parece isso não está sendo cumprido pela construtora, pois nos dois maiores shows (Rod Stewart e Kate Perry) realizados no ano passado, o repasse feito foi de apenas R$ 30 mil, valor irrisório e que significaria que o montante total arrecado seria de apenas R$ 150 mil.

Agora é esperar os próximos capítulos dessa novela. Lembrando que a WTorre já enfrenta problemas judiciais com outra empresa a qual também tinha feito parceria, a AEG, que era responsável pela gestão do Allianz Parque. #Futebol