Para quem gosta de #Futebol, essa é uma #História e tanto. O ano era 2006. No Japão para a disputa da Copa Sendai, a Seleção Brasileira sub-20 tinha dois destaques absolutos: os atacantes Wendell Lira e Alexandre Pato. Na volta ao Brasil, Wendell se destacou ainda mais ao ser artilheiro do Brasileirão sub-20, pelo Goiás, com sete gols. O Milan, da Itália, acompanhava tudo de perto. Estava decidido a investir no jovem talento do Goiás.

No entanto, os dirigentes italianos acreditaram que uma proposta de cerca de R$ 6 milhões seria suficiente para contar em definitivo com o jogador. Em dúvida, a cúpula do Goiás decidiu esperar um momento futuro para negociar o jogador, ciente de que ele se valorizaria ainda mais e renderia um valor ainda maior aos cofres do clube.

Publicidade
Publicidade

Martelo batido: por aquele valor, Wendell não sairia.

"Não, não ficou nenhuma mágoa da diretoria do Goiás na época, não. Eu lembro que eu queria jogar de qualquer jeito, e subiria ao profissional. Entendi o lado deles, eles pensaram que mais tarde poderiam me vender por um preço melhor", relembrou Wendell, em entrevista recente.

Sem Wendell Lira, o Milan voltou suas atenções ao parceiro dele na seleção de base. O foco agora era Alexandre Pato, que brilhava no Inter e já havia sido titular da campanha colorada no título mundial sobre o Barcelona em 2006. Em agosto de 2007, os italianos pagaram a multa rescisória de Pato e acertaram a contratação do jogador.  #Futebol Internacional