Apesar de mais um incidente na nova casa do #Corinthians, desta vez com um desabamento de uma estrutura, ninguém se encontrava no local no momento, e desta forma não houve feridos. A estrutura - composta por peças de gesso e madeira - compunham um espaço de 40 metros quadrados no hall da entrada para o setor vip, totalizando quase a área de um apartamento de pequeno porte. A Odebrecht, responsável pela construção da Arena, disponibilizou no mesmo dia uma equipe para efetuar os reparos necessários e agilizar a reforma do espaço atingido.

O episódio acende mais uma luz de alerta sobre as condições dos estádios brasileiros às vésperas da abertura dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, daqui a cinco meses.

Publicidade
Publicidade

A Arena do atual campeão brasileiro será utilizada para abrigar 10 partidas de #Futebol, com destaque para as semifinais do evento masculino, e da disputa pela medalha de bronze no feminino. Antes das Olimpíadas, no entanto, o Corinthians continuará jogando normalmente no "Itaquerão", pela Libertadores da América e no Campeonato Paulista.

Apesar de ser considerado um dos estádios mais modernos do mundo, com arquitetura arrojada e excelente infraestrutura, A Arena Corinthians já sofreu com outros acidentes, inclusive com vítimas fatais. Em 27 de novembro de 2013, uma peça da cobertura desabou de um guindaste e matou dois operários: Fábio Luiz Pereira e Ronaldo Oliveira dos Santos. Já em março de 2014, o operário Fábio Hamilton da Cruz teria se desequilibrado e morreu ao cair das arquibancadas provisórias instaladas para cumprir exigências da FIFA quanto ao padrão dos estádios da Copa do Mundo.

Publicidade

A Odebrecht garante que o incidente não afetará os compromissos do Corinthians ou da Rio-2016, e deu prazo máximo de 15 dias para finalizar os reparos da Arena. Os dirigentes do clube preferiram não se pronunciar sobre o caso, ainda mais depois de que teriam sido descobertas infiltrações e problemas hidráulicos nas instalações do Itaquerão. Caso isso se confirme, dez lanchonetes do complexo podem ser prejudicadas. O Comitê Olímpico Brasileiro também não se manisfestou sobre o assunto, alegando desconhecer o acidente. A Odebrecht pretende divulgar em breve um relatório destacando o que poderia ter causado o desabamento e se isso poderá afetar o planejamento para as atividades no estádio nos meses seguintes. As já citadas infiltrações surgem como a principal causa do acidente.  #Rio2016