Coragem, determinação, inspiração e igualdade são valores que qualquer atleta deve ter, mas esses, em especial, representam os atletas paralímpicos de todo o mundo. É movidos pelo lema “Espírito em Movimento” que entre os dias 7 e 18 de setembro, no Rio de Janeiro, mais de 4.350 atletas de 176 países vão competir nos #Jogos Paralímpicos de 2016.

Assim como os Jogos Olímpicos, esta será a primeira vez que a competição vai ser disputada na América do Sul e o público vai poder vibrar com 23 modalidades esportivas, incluindo a Canoagem e o Triatlo que, neste ano, fazem a sua estreia nos jogos. Paixão pelo esporte, garra e desejo de superação serão alguns dos ingredientes que aqueles que forem assistir as competições vão ter a oportunidade de presenciar.

Publicidade
Publicidade

Considerado o maior evento esportivo do mundo para pessoas com deficiência física ou mental, os Jogos Paralímpicos tiveram a sua origem na Inglaterra, por iniciativa do médico alemão Ludwig Guttmann. Em 1945 foram realizadas as primeiras competições esportivas para deficientes com o intuito de usar o esporte para reabilitação dos soldados feridos na 2ª Guerra Mundial. O sucesso das primeiras competições foi tamanho que proporcionou o crescimento do movimento paralímpico, foi então que no ano de 1960, em Roma, na Itália, aconteceu a primeira edição oficial dos Jogos Paralímpicos.

Hoje, concebido como um evento de esporte de alto rendimento e para atletas deficientes profissionais, os jogos procuram enfatizar as conquistas mais do que as deficiências dos esportistas. O movimento paralímpico têm se solidificado cada vez mais ao longo dos anos, para se ter uma ideia, em Roma, a primeira edição dos jogos contou com aproximadamente 400 atletas, já em Pequim, em 2008, foram registrados 3.951 atletas, de 146 países.

Publicidade

Tal progressão também se deve ao fato da criação do Comitê Paralímpico Internacional em 1989, com o apoio do Comitê Olímpico Internacional. Desde os Jogos de Barcelona, em 1992, os dois comitês organizadores trabalharam juntos e desenvolvem ações procurando expandir o esporte para deficientes.

Este ano, no Rio de Janeiro, o espírito paralímpico vai tomar conta da capital carioca. Serão 21 instalações para as competições espalhadas pela cidade. Sendo elas doze instalações na região da Barra, que será o epicentro dos Jogos, três instalações em Copacabana, quatro em Deodoro e duas na região do Maracanã, que vai contar também com a abertura e encerramento das Paralimpíadas a ser realizado no Estádio Jornalista Mário Filho, mais conhecido como Maracanã.

Outro atrativo dos Jogos, a tocha Paralímpica foi criada a partir dos conceitos de paixão e transformação, mesmo conceito utilizado na criação da tocha Olímpica. Concebida para celebrar a criatividade, diversidade e força de vontade, a tocha tem um formato quadrangular e possui os quatros valores paralímpicos - coragem, determinação, inspiração e igualdade - gravados em braile no objeto.

Publicidade

Parte do revezamento da tocha Paralímpica será feito virtualmente, por meio de mídias digitais, e de forma interativa, onde pessoas do mundo inteiro poderão contribuir para o acendimento da chama enviando as suas “chamas pessoais”. Com base nessa interação, chamas físicas serão acesas em setembro de 2016 em cinco cidades brasileiras que serão escolhidas para representar as regiões do país.

Ao todo, teremos onze dias de evento e 528 provas com medalhas em disputa, sendo que 226 provas serão femininas, 264 masculinas e 38 mistas.

Até maio de 2016 serão realizados 10 eventos-teste para experienciar os locais de competição. Um deles, o Aquece Rio, terá eventos em fevereiro, com o Rugby em cadeira de rodas, Abril, com a natação paralímpica e Maio com o atletismo.

Para as cerca de 300 sessões esportivas e também para as cerimônias de abertura e encerramento dos Jogos foram disponibilizados um total de 3,3 milhões de ingressos. Com preços entre R$ 10 a R$ 130, os ingressos estão disponíveis no site #Rio2016.com.