Você se pergunta: Como a China consegue tanto dinheiro para investir milhões na contratação de jogadores brasileiros? Por trás dos milhões que são apresentados aos clubes, jogadores e empresários brasileiros, existe uma ação conjunta entre a iniciativa privada e o poder público. Todos os times de elite na China têm um aporte por trás, ou seja, do governo ou de uma empresa privada. 

Este processo começou em março de 2013, quando Xi Jinping se tornou presidente da China. Fã e entusiasta do futebol, definiu três metas para o futebol chinês: disputar Copa do Mundo, sediar um torneio Internacional e conquistar um título mundial.

Publicidade
Publicidade

Para isso decidiu que o esporte se tornaria disciplina obrigatória nas grades curriculares do país. Mas o que realmente acelerou este processo foi a criação de incentivos fiscais, companhias identificadas pelo governo que investiam no futebol poderão ter descontos de 15% a 25% no imposto de renda. 

Por exemplo, o poderoso Guangzhon Evergrade, time comandado pelo treinador Felipão e os jogadores Robinho, Paulinho, Elkeson e Ricardo Goulard, atual pentacampeão chinês e vencedor da Liga dos Campeões da Ásia em 2013 e 2015. Treinador e jogadores contribuíram para estes títulos, contratados por milhões de Yuans investidos pela Construtora Evergrande, do bilionário Xu Jiayin, um dos homens mais ricos da China. Para se ter a dimensão do tamanho da Construtora Evergrande, basta-se saber que eles não constroem prédios, eles constroem cidades. 

Geralmente a origem do dinheiro que é investido nas contratações do brasileiros é muito complexo.

Publicidade

De alguma maneira o chinês esta levando vantagens, os atletas brasileiros estão ficando milionários e os clubes brasileiros estão ganhando uma ajuda para saírem do buraco. As empresas chinesas não investem em milhões porque o presidente do país gosta de futebol, mas porque o presidente chinês que gosta de futebol oferece incentivos fiscais bem atrativos. O governo ganha com o crescimento do futebol na China e as empresas lucram diminuição dos impostos e a exposição da marca.  #Corinthians #Crise econômica #Futebol Internacional