Menos de um mês atrás, acontecia em Santa Clara o Super Bowl L. Estrelas multimilionárias se digladiavam em campo, batendo recordes de audiência enquanto empresas disputavam a tapa um lugar no intervalo comercial mais caro do mundo. A maioria dos portais de notícias do mundo lembrou de colocar em destaque a vitória do Denver Broncos por 24 a 10 sobre o Carolina Panthers.

Longe dali, em terras brasileiras, o #Futebol Americano cresce vertiginosamente em popularidade. É cada vez mais comum encontrar não só quem assista, mas também que pratique o esporte que tempos atrás era desconhecido no país. Um trabalho jornalístico excepcional feito pela ESPN permitiu tal feito.

Publicidade
Publicidade

Muitos habitantes do Brasil passam seus domingos assistindo às partidas da NFL.

Mas a prática do esporte ainda é amadora. Sem poder ser comparada com a infra-estrutura norte-americana. Quem entra em campo por aqui, o faz por amor.

No mês de julho de 2015, foi disputado em Canton, Ohio, Estados Unidos, a Copa do Mundo de futebol americano. Pela primeira vez, a seleção brasileira esteve presente. Na estréia, derrota por 31 a 6 para a França. Uma vitória por 28 a 0 sobre a Coréia do Sul e uma derrota por 16 a 8 para a Austrália encerraram a campanha.

Uma equipe de #Cinema acompanhou essa experiência marcante. Desde a fase de treinos, que aconteceu em Irati, no Paraná, até os momentos mais importantes, em Ohio. Wadih Elkadi e Vinícius Berger, apaixonados pelo esporte, tiveram a ideia de de produzirem material sobre o futebol americano no Brasil.

Publicidade

O plano original era acompanhar a equipe feminina no mundial de Flag (versão sem equipamentos pesados e com contato muito mais brando) em 2014, na Itália, mas o prazo curto impossibilitou a execução.

A classificação para a Copa do Mundo, porém, deu uma nova chance. E a equipe começou a se mobilizar para ir a Irati filmar o training camp. Quatro pessoas estiveram ali, e três foram aos Estados Unidos, custeando as próprias passagens e estadias, acompanhar esse momento histórico do futebol americano tupiniquim.

Segundo Elkadi, a parte mais marcante foi "Ver os atletas entrando em campo pela primeira vez, uma experiência única. Perceber que eles tinham o sonho de representar o Brasil, e mesmo sendo atletas amadores, conseguiram cumprir com seus objetivos". Produtor executivo de "No País do Football" e um dos idealizadores do projeto, ele hoje tenta captar recursos para a finalização desse documentário.

A vinte e um dias do final da campanha, o longa-metragem já conseguiu no Catarse (site de crodwfunding, ou financiamento voluntário coletivo) quase doze mil reais, cerca de 26% do pretendido para entregar o produto pronto.

Publicidade

O dinheiro será usado para transformar as mais de cem horas de material filmado em cerca de uma hora e meia de produto cinematográfico, e então procurar espaço em festivais e, depois, na televisão.

Essa experiência "No País do Football" fala muito sobre as relações diretas exercidas sobre o cinema e o esporte no Brasil. O amadorismo e a necessidade de patrocínios para uma vida longa. Se existe a vontade de filmar ou ser atleta, muitas vezes por amor ao ofício, não é possível alçar vôos mais altos pelas dificuldades financeiras. A dedicação e o trabalho duro de alguns depende de uma colaboração de muitos.

Elkadi diz que "A proposta é pagar os profissionais que irão participar da finalização do documentário. O montador, o editor de som, o colorista". Caso consiga alcançar a meta via financiamento coletivo, será nao apenas uma vitória do cinema independente brasileiro, mas também a segunda do país na Copa do Mundo.

Belém de Oliveira, Fábio Nascimento, Roberto Spinelli e Sílvia Kiefer são os outros membros da equipe. O projeto tem mais vinte e um dias para alcançar a meta de quarenta e cinco mil reais e, enfim, poder ganhar vida.