A saída do atacante Ricardo Oliveira para o #Futebol chinês está cada vez mais difícil de se concretizar. Isso porque o time Beijing Guoan se recusou a pagar 12 milhões de euros (R$ 53 milhões) ao time da Vila Belmiro. Para ser liberado, o atacante se propôs a pagar cerca de 4 milhões de euros (R$ 17,5 milhões) para o #Santos, porém o valor está muito abaixo do que é exigido pelo Peixe.

O Santos nunca teve o interesse de se desfazer de Ricardo Oliveira, de 35 anos, artilheiro do Brasileirão 2015. E uma das estratégias adotadas pelo Peixe é pressionar o Beijing Guoan, já que a janela de transferência entre Brasil e China se encerra nesta sexta-feira, o estafe de Ricardo Oliveira tentar convencer os chineses a toparem o negócio.

Publicidade
Publicidade

O ideal é que a negociação se concretize nesta quinta-feira, mas vale lembrar que o horário chinês está 11 horas à frente do horário de Brasília. 

O atacante já expressou e deixou bem claro sua vontade em sair da equipe do Santos. Porém, o presidente Modesto Roma Júnior está confiante na permanência do jogador. Em declaração, Modesto diz que Ricardo Oliveira é homem de palavra e que não cogita a sua saída: "ele não é um canalha", argumentou o presidente Modesto Roma.

Uma das possíveis causas da saída de Ricardo Oliveira seria pelo alto salário oferecido pelos chineses, cerca de 1 milhão de reais, bem acima do que hoje vem recebendo (R$ 150 mil), além de bonificações na Vila Belmiro. Parte deste salário oferecido seria repassado ao Santos por parte do jogador para ter sua saída liberada para o futebol asiático.

Publicidade

O jogador, inclusive, já comprou sua passagem para a viagem para o outro lado do mundo.

O Santos exige no mínimo o pagamento de 10 milhões de euros (cerca de R$ 43 milhões) para concluir a transferência, muito abaixo do que foi oferecida na primeira proposta pelo Beijing Guoan, cerca de 5 milhões de euros. 

Enquanto a transferência não se conclui, o jogador desfalcará o time do Santos na sexta rodada do campeonato paulista, contra o Mogi Mirim, às 19h30, no Pacaembu.