Cuca fechou com o #Palmeiras e foi apresentado na tarde desta segunda-feira (14) para contrato que vigorará até dezembro deste ano. Após período de campanha pífia de Marcelo Oliveira, a diretoria Alviverde mudou totalmente o perfil do comandante palestrino, ao menos no que diz respeito a comportamento. O método intuitivo dentro de campo, e claramente mais pacato de Marcelo Oliveira fora dele, nada tem a ver com o "sanguinário" Cuca.

O novo treinador, além de ser mais estratégico, coloca muito mais coração e sangue a beira do campo e não aceita menos do que isso de seus comandados dentro das quatro linhas. Cuca procura manter seus jogadores ligados o tempo todo, motivados além da conta e emocionais como ele.

Publicidade
Publicidade

Cuca perseguiu durante toda a sua carreira de treinador quebrar alguns paradigmas que o perseguiram por alguns anos, dentre elas o injusto rótulo de "azarado". Alguns times pelos quais ele passou nos últimos anos como São Paulo, Botafogo, Flamengo, Fluminense, Cruzeiro e Atlético Mineiro, independentemente do sucesso ou fracasso, acumularam experiências que deram bagagem suficiente para transformá-lo num treinador medalhão. 

E dessas tantas experiências e passagens que podem ser consideradas vitoriosas, apesar dos resultados nem sempre serem finalizados com conquistas, um de seus grandes feitos foi o de conseguir preparar uma ótima base do time do São Paulo em 2004 que ganharia vários títulos nos anos seguintes. Fez também um time limitado do Botafogo, de 2006 a 2008, jogar bonito, ofensivamente e com boa técnica.

Publicidade

Mas o que faltava era um título grande. E ele veio em 2013, com a conquista da Libertadores da América com o Atlético Mineiro. Título este conquistado com base também no jogo ofensivo, que aparentava descontrole em algumas partidas, o chamado “Galo Doido”, mas sem medo de atacar e de ser o protagonista, algo que o #Futebol brasileiro está a procura desde os 7 a 1.

O novo comandante do Verdão trará consigo para compor sua comissão técnica seu irmão e auxiliar, Cuquinha, além de seu analista de desempenho Eudes Pedro. Outra novidade será o retorno de Omar Feitosa ao clube.

Omar foi gerente de futebol do Palmeiras entre 2013 e 2014, e agora será preparador físico, função que também já havia exercido na Academia de Futebol do Palmeiras de 2007 a 2010. Feitosa havia realizado seus últimos trabalhos como técnico e, segundo Alexandre Mattos, a contratação dele foi um pedido de Cuca.

A preparação física do clube vinha sendo um dos pontos que a diretoria via como um problema no time.

Aos milhões de torcedores do Palmeiras, resta esperar o que este Cuca, recém-chegado do futebol chinês, poderá fazer agora. O imediatismo que a situação parece pedir pode ser algo perigoso. Para a partida de quinta-feira (17) diante do Nacional, em Montevidéu, ao menos os palmeirenses estão convictos de que o coração estará dentro e a beira do gramado. #Resenha Esportiva