O medo da epidemia do Zika vírus, em especial durante a realização dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, acendeu o sinal de alerta das autoridades competentes. Na quinta-feira, dia 24 de março, o ministro da Saúde, Marcelo Castro, anunciou uma série de novas medidas para evitar que o surto da doença prejudique os visitantes que estarão no Brasil para acompanhar o evento esportivo. O empenho do governo incluiu investimento em médicos, ambulatórios e novas ambulâncias.

O ministro se encontrou com representantes da prefeitura e do governo carioca, assegurando que os atletas, turistas e dirigentes que estarão no Rio de Janeiro terão um reforço para que se sintam mais seguros.

Publicidade
Publicidade

Ambulâncias serão modernizadas, assim como ambulatórios e o aprimoramento na organização das instituições públicas de saúde da metrópole. Marcelo Castro afirmou que 146 ambulâncias serão compradas e cerca de R$ 42 milhões serão revertidos para o combate do #Zika Vírus.

Além disso, o trabalho de infraestrutura será devidamente aprimorado, com a contratação de mais médicos, enfermeiros, auxiliares, técnicos de saúde, e a instalação de 130 novos leitos para atender a demanda de possíveis casos da doença. “Com as providências que nós estamos tomando, todos os cuidados, estamos seguros de que as pessoas podem vir para cá com segurança", afirmou o ministro em encontro com jornalistas.

Precauções da OMS

O ministro também ressaltou a recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS) sobre as gestantes, que são as mais prejudicas pela infecção causada pelo mosquito Aedes aegypti.

Publicidade

"Há uma recomendação da OMS (Organização Mundial da Saúde) para as grávidas, para evitar os países onde esteja circulando o vírus Zika e isso é uma coisa que a gente respeita e compreende”, prosseguiu. A doença pode provocar microcefalia e a síndrome de Guillain-Barré, que atinge o sistema nervoso.

Outro ponto destacado por Marcelo Castro é que durante a realização da Rio 2016, entre os dias 5 e 21 de agosto, o clima tende a ser menos quente e mais seco no Rio de Janeiro. Estas condições não são favoráveis para a proliferação do Aedes aegypti, mosquito também responsável por transmitir a dengue e a chikungunya. A intenção do ministro da Saúde é deixar claro que, apesar de ser um problema real, a epidemia de Zika vírus não deve intimidar os visitantes interessados em acompanhar os Jogos Olímpicos de perto. #Entretenimento #Rio2016