Na última semana, Vladimir Putin, presidente da Rússia, veio a público cobrar explicações sobre os escândalos de doping e corrupção envolvendo atletas do país. O recado foi direcionado aos principais dirigentes russos, responsáveis pela preparação da delegação que virá ao Brasil, para a disputada dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, a partir do dia 5 de agosto. O mandatário da potência europeia exige providências, para que seus principais competidores não percam o evento por conta da incompetência de dirigentes e treinadores.

Nesta segunda-feira, dia 21 de março, o ministro dos Esportes da Rússia, Vitaly Mutko, tentou minimizar a "bronca" recebida do presidente e confirmou que todas as autoridades envolvidas estão fazendo o máximo para que não haja mais punições.

Publicidade
Publicidade

Por enquanto, o atletismo russo está proibido de participar de competições oficiais, e só será liberado para a Rio 2016 caso apresente evidências de que está colaborando para "limpar" o esporte do país.

Fraude ou ingenuidade?

A Agência Mundial Antidoping (WADA) e a Associação Internacional de Federações de Atletismo (IAAF) determinaram uma série de exigências aos russos para que eles expliquem todos os casos de doping que testaram positivo, especialmente para a substância Meldonium. Somente na semana passada, 99 atletas foram flagrados pelo uso da droga - desenvolvida para tratar problemas cardíacos, mas que, ao mesmo tempo, garante ganho de rendimento esportivo.

O ministro dos Esportes, em entrevista à agência Tass, afirmou que os órgãos competentes estão colaborando para que uma solução seja apresentada em breve.

Publicidade

"O sistema monitor para atletismo está em andamento e trabalhando normalmente", afirmou Mutko. Além do atletismo, a tenista Maria Sharapova convocou uma coletiva de imprensa para anunciar que havia testado positivo para o Meldonium, durante o Aberto da Austrália. Além dela, jogadores de vôlei, patinadores e nadadores foram flagrados. Sharapova ainda será julgada, mas dificilmente estará no Brasil para os Jogos.

Ainda, segundo o ministro - que foi "bombardeado" por Vladimir Putin -, está havendo colaboração de todas as partes envolvidas e os competidores estão sendo devidamente monitorados. Ele ainda pontuou que a questão envolvendo o Meldonium é um algo que será analisado de forma independente, já que a droga só entrou na lista de substâncias proibidas da WADA no dia primeiro de janeiro deste ano, o que pode ter causado confusão na preparação dos atletas. #Entretenimento #Rio2016 #Tênis