O suíço Gianni Infantino está com motivos de sobra para celebrar seu início de gestão à frente da Fifa (Federação Internacional de #Futebol). Nesta sexta-feira, dia 18 de março, o novo presidente da principal entidade que comanda o futebol mundial anunciou um acordo de patrocínio milionário com um grupo chinês. Desta forma, a Fifa dá o pontapé inicial para superar o déficit de US$ 122 milhões que enfrentou na temporada passada.

Gianni Infantino fez o anúncio junto com empresários do conglomerado Wanda, cujo principal alvo de operações é o setor imobiliário. Além disso, o grupo comandado por um dos homens mais ricos do mundo, tem participação ativa no time de futebol espanhol Atlético de Madrid, que está nas quartas de final da Liga dos Campeões da Europa, para enfrentar o todo poderoso Barcelona.

Publicidade
Publicidade

Os valores do contrato não foram confirmados, mas espera-se, ao menos por parte da Fifa, que o contrato tire a entidade do buraco. O acordo é válido até 2030, ou seja, engloba a participação do grupo chinês nas próximas quatro Copas do Mundo. Rússia, em 2018, e Catar, quatro anos depois, já são sedes confirmadas da principal celebração futebolística mundial.

Satisfeito com o resultado das negociações, Infantino pontuou a importância de deixar os estragos causados pelos seus antecessores para trás. "Não posso mudar o passado, mas posso influenciar o futuro e fazer com que enfrentemos todos os desafios", discursou o suíço, após presidir sua primeira reunião no comitê executivo da Fifa.

Infantino foi eleito para ocupar a vaga do compatriota Joseph Blatter no final de fevereiro, superando Ali al Hussein, príncipe da Jordânia e ex vice-presidente da Fifa; Salman al Khalifa, membro da família real do Bahrein e presidente da federação da Ásia; Jérôme Champagne, ex-vice-secretário-geral da Fifa; e Tokyo Sexwalle, empresário de minérios sul-africano.

Publicidade

Advogado de formação e ex-secretário-geral da UEFA, o suíço de 45 anos é tido como um profissional de perfil "técnico", mais apto a lidar com questões administrativas. A Fifa não sofria um déficit em suas receitas desde 2002. #Entretenimento #Corrupção no futebol