Os últimos meses trouxeram à tona diversos casos de doping que mancharam o esporte no mundo todo, especialmente quanto ao atletismo russo. Craig Reedie, chefe da Agência Mundial Antidoping (Wada), declarou que os fãs e os atletas precisam de respostas o quanto antes, ainda mais com a aproximação dos Jogos Olímpico do Rio de Janeiro, no início de agosto.

Principal alvo das investigações, a federação de atletismo da Rússia está suspensa depois de atletas, dirigentes e treinadores terem sidos acusados de forjar exames para que os testes dessem negativo quanto ao uso de substâncias ilícitas através de acordos com laboratórios.

Publicidade
Publicidade

Alguns atletas russos, arrependidos, resolveram colaborar nas investigações, e a decisão foi a de suspender a federação de atletismo do país europeu de todas as competições oficiais.

A Associação Internacional de Federações de Atletismo (IAAF), em decisão conjunta com a WADA, ainda não determinou se os russos ficarão de fora da Rio 2016. Entretanto, os dois órgãos acenam com a possibilidade de que as entidades russas competentes não estão cumprindo as exigências necessárias para reverter a pena imposta provisoriamente.

O chefe da WADA foi enérgico sobre a #Crise que abala as competições profissionais. "Em 2015, a confiança do público no esporte foi abalada como nunca antes, o ânimo do público azedou e há uma sensação generalizada de que todos estão nisso", afirmou Craig Reedie em um evento organizado pela WADA para esclarecer a questão.

Publicidade

O dirigente também aproveitou a reunião para salientar que a entidade não tem condições financeiras de fiscalizar todas as federações internacionais.

Recentemente, além dos escândalos de corrupção dentro da Fifa - com dirigentes presos e banidos -, o #Tênis feminino sofreu um forte baque com o anúncio realizado pela tenista russa Maria Sharapova de que ela fora flagrada em um exame antidoping no Aberto da Austrália. A ex-número 1 do ranking da WTA testou positivo para o meldonium, substância proibida a partir do primeiro dia de 2016. Segundo a WADA, 99 atletas já foram flagrados pelo uso do medicamento, que traria ganho de rendimento. #Rio2016