A apenas 100 dias da 31ª edição dos Jogos Olímpicos, o Rio de Janeiro e o Brasil enfrentam muitos desafios para deixar a casa arrumada para receber milhares de estrangeiros, e ter os olhos do mundo por cerca de três semanas. A principal potência da América do Sul está imersa em várias crises: econômica, hídrica e principalmente política.

A presidente Dilma Rousseff (PT) pode ser afastada do cargo nos próximos dias, com o Senado Federal votando a continuidade ou não do processo de impeachment iniciado em dezembro último. O Governo trata a questão como "um golpe de Estado em curso na frágil democracia brasileira, orquestrado pelo vice-presidente Michel Temer e pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha [ambos do PMDB]", e já é cogitada a antecipação das eleições gerais para o fim do ano.

Publicidade
Publicidade

O estado do Rio de Janeiro vive a pior #Crise econômica de sua história, com dezenas de categorias de servidores em greve por atraso de salários, escolas ocupadas por alunos e calote nos aposentados. O governador Luiz Fernando Pezão (PMDB) está licenciado, em tratamento contra um câncer, e Francisco Dornelles (PP) é a bola da vez.

A principal obra de mobilidade para as Olimpíadas - a Linha 4 do Metrô, que liga Ipanema à Barra da Tijuca - não ficará totalmente pronta a tempo dos Jogos: a estação Gávea não tem prazo para ser concluída, e apenas o público olímpico poderá usar as novas estações nos dias do Rio 2016. No Parque Olímpico, o Velódromo é a única instalação preocupante: só deve ficar pronto a 15 dias da cerimônia de abertura.

Há pouco menos de uma semana, outra tragédia assustou os cariocas: o desabamento de parte da Ciclovia Tim Maia, que matou duas pessoas, revelou falhas graves de projeto.

Publicidade

Mas o que tira o sono dos estrangeiros são as epidemias de dengue, chikungunya e principalmente zika. A delegação da Coreia do Sul, por exemplo, anunciou que seus atletas vão usar uniformes de mangas longas, com tecido embebido em repelente de insetos.

Faltando pouco mais de 3 meses para o início da festa, o Rio soube superar problemas financeiros e atrasos na maior parte das obras. O Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) inicia suas atividades em 22 de maio, ligando a Rodoviária Novo Rio ao Aeroporto Santos Dumont. No dia em que o Comitê Olímpico Brasileiro (COB) recebeu o fogo olímpico na Grécia, o prefeito Eduardo Paes (PMDB) confirmou que a cidade terá três feriados durante os Jogos, nos dias 5, 18 e 22 de agosto. Dias depois, a cidade também sedia os Jogos Paralímpicos, entre 7 e 18 de setembro. #Rio2016 #Zika Vírus