O Comitê Olímpico Internacional (COI) anunciou nesta última terça-feira, dia 24, a suspensão de 14 atletas russos, cujos exames de doping apresentaram resultado positivo. Este grupo havia participado das competições de Pequim, em 2008. Com a medida, todos estão proibidos de participar da Rio 2016.

A decisão foi tomada após o próprio Comitê anunciar previamente que cerca de 31 atletas originários de 12 países poderiam ser suspensos pelo resultado positivo neste tipo de exame. As amostras submetidas à analise foram justamente a dos competidores que participaram dos #Jogos em 2008. Ainda de acordo com o setor jurídico dos organizadores dos jogos, novas análises deverão ser feitas com uma segunda amostra colida destes mesmos participantes.

Publicidade
Publicidade

A análise deverá ser feita, desta vez, na cidade de Lausanne, Suíça.

Em respeito ao regulamento interno do Comitê, a relação dos nomes do grupo suspenso só deverá ser conhecida após a divulgação do resultado pelo laboratório suíço.

Em apoio à decisão do COI, a Federação de Atletismo da Rússia divulgou uma nota confirmando tal fato e declarou que todos os competidores daquele país deverão ser suspensos pelo resultado positivo dos exames. A entidade informou que somente aqueles atletas que não estiverem sob o efeito de alguma substância proibida é que deverão participar das competições.

A Rússia poderá ser o primeiro país punido com uma medida exemplar

O presidente da Federação de Atletismo da França, Bernard Amsalem, declarou, no último dia 18, que, no caso dos dopings confirmados, a Rússia deveria receber uma punição exemplar com exclusão do país das Jogos Olímpicos da Rio 2016.  De acordo com o dirigente, os casos já estão ultrapassando todos os limites possíveis e é preciso dar um basta em toda a situação.

Publicidade

Apesar de lamentar muito pelo restante dos atletas daquele país que não estão envolvidos com doping e que vão sair prejudicados, Amsalem não recua diante da penalidade, pois ele deverá  servir de exemplo para que outras nações possam adotar medidas internas a fim de que tal prática não seja adotada por seus respectivos competidores.

 

  #Crime #Rio2016