O técnico Scott Volkers foi acusado, no início dos anos 2000, de ter abusado sexualmente de três atletas da modalidade esportiva de natação, durante os anos 80, na Austrália. Por causa dessas acusações, ele foi afastado da sua função para evitar o seu contato com outras crianças e adolescentes. Contudo, o profissional foi absolvido durante o próprio julgamento, sob a alegação que de as vítimas não teriam provas suficientes contra ele. Apesar da absorção, ele agora pode ser impedido de participar dos Jogos Olímpicos Rio 2016.

É que a autoridade esportiva da Austrália, preocupada com novas atletas da modalidade de natação, encaminhou um pedido para o Comitê Olímpico Brasileiro (COB), solicitando que o técnico de natação seja barrado dos Jogos Olímpicos Rio 2016, que começa no dia 5 de agosto, no Rio de Janeiro, e vai até o dia 21 de agosto.

Publicidade
Publicidade

A decisão do Comitê Olímpico Brasileiro (COB) ainda não foi tomada, motivo pelo qual a autoridade esportiva da Austrália tem que aguardar a decisão final, levando em consideração o arquivamento do julgamento.

Apesar de ter sido absolvido de todas as acusações, Scott Volkers está enfrentando grandes dificuldades para trabalhar na área esportiva, mesmo tendo treinado atletas brasileiros, como, por exemplo, Tiago Souza e César Cielo. Em declaração para a imprensa, o presidente do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), Carlos Arthur Nuziman afirma que o representante da autoridade esportiva da Austrália, Johan Coates, solicita não apenas o afastamento do técnico de natação dos Jogos Olímpicos Rio 2016, mas também que o profissional seja impedido de exercer a sua profissão a nível internacional.

Procurada, a Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos (CBDA) afirma que Scott Volkers não pode ser simplesmente impedido de participar das olimpíadas brasileiras no Rio de Janeiro, principalmente porque, como treinador olímpico, conseguiu classificar vários atletas para as competições desse ano, trabalhando para a seleção brasileira há cinco anos.

Publicidade

#Justiça #Futebol #Rio2016