Alguns especialistas ligados à área da saúde pública enviaram uma carta aberta à #Organização Mundial de Saúde (OMS) reivindicando a mudança na data da realização dos Jogos Olímpicos de 2016 e até a transferência do local onde as Olimpíadas serão realizadas. O motivo seria a epidemia de zika vírus que atinge o Brasil.

O texto é assinado por 100 cientistas e médicos, e considera como "risco desnecessário" expor atletas e turistas à contaminação do zika. O texto publicado por estes médicos e especialistas considera que o Brasil fracassou na tentativa de combater o vírus. A OMS não se pronunciou a respeito da carta aberta. Nos últimos dias, manifestou-se contrária ao adiamento dos Jogos Olímpicos, embora tenha alertado as pessoas que pretendem vir ao Brasil neste período, a evitar locais que não tenham água encanada e a privilegiar ambientes com ar-condicionado. 

Esta situação também repercutiu junto a alguns atletas olímpicos, como a goleira norte-americana de futebol feminino, Hope Solo, que admitiu que a sua presença nos Jogos Olímpicos 2016 não está confirmada por conta desta epidemia.

Publicidade
Publicidade

Já os golfistas Mark Leishman e Vijay Singh desistiram de comparecer ao evento pelo risco do zika. Em contrapartida, o governo brasileiro garantiu que está adotando todas as medidas necessárias para que todas as pessoas, atletas e turistas, estejam seguros durante a realização das Olimpíadas de 2016.

O certo é que o governo federal vai ter que fazer muito mais do que isto para convencer os turistas e atletas internacionais de que o Brasil está tomando todas as providências para combater o #Zika Vírus. As informações que chegam ao exterior sobre as péssimas condições da saúde pública no Brasil - na qual pessoas morrem nas filas de hospitais, com macas instaladas nos corredores, UTIs superlotadas - não são necessariamente um quadro encorajador para quem pretende abandonar toda a organização de um país de Primeiro Mundo para correr riscos no Brasil, país que alguns estrangeiros ainda acreditam que pessoas morrem de malária.

Publicidade

#Rio2016