No próximo dia 4 de junho começará a Copa América Centenário, uma edição especial da competição centenária (a primeira edição foi em 1916). A #Seleção Brasileira terá uma boa chance de resgatar um pouco da reputação futebolística, após a vergonha histórica da goleada de 7 a 1 para a Alemanha e as duas últimas participações pífias na Copa América. O Brasil joga sem Neymar, o que é um atrativo a menos, porém existem vários motivos para não perder esta histórica competição. Confira cinco motivos para você não perder a Copa América Centenário.

A primeira vez nos Estados Unidos da América

Disputada entre todos os países da América do Sul, a Copa América sempre foi realizada dentro desta metade do continente.

Publicidade
Publicidade

Foram nove vezes na Argentina, sete no Uruguai, sete no Chile, seis no Peru, cinco no Brasil, quatro no Equador e duas na Bolívia. Paraguai, Colômbia e Venezuela sediaram a competição uma vez cada. Em 2016, pela primeira vez a competição será fora da América do Sul. Será uma Copa América itinerante pelos EUA, com 14 estádios divididos em dez cidades-sede: Pasadena, Seattle, Santa Clara, East Rutherford, Orlando, Chicago, Houston, Foxborough, Filadélfia e Glendale.

As rivalidades sul-americanas são o combustível para este campeonato, mas outras rivalidades continentais se movimentarão neste ano.

100 anos da Conmebol e da Copa América

A Copa América Centenário será uma edição especial para comemorar os 100 anos da competição e os centenário da Conmebol no ano que vem. Tradicionalmente disputada entre os dez países da América do Sul, com participações esporádicas de Estados Unidos, Costa Rica, Honduras, Jamaica e até do Japão, a edição deste ano trará seleções a mais.

Publicidade

As melhores da Concacaf: EUA, México, Costa Rica, Haiti, Jamaica e Panamá. Será um verdadeiro confronto entre a parte abaixo da linha do Equador contra o resto do continente. Simbolicamente algo como a pelada infantil da "rua de baixo contra rua de cima".

A última chance para Dunga?

Apesar de ter tido sucesso nos primeiros jogos com a volta à Seleção Brasileira, Dunga continua sendo criticado incessantemente. Há quem diga que a permanência do técnico é questão de tempo. A Copa América será talvez a última chance de Dunga para provar que pode continuar no comando do escrete nacional. Uma boa participação na Copa América poderá dar maior confiança para a disputa das Olimpíadas. O Brasil terá uma chance espetacular de conquistar a medalha de ouro no #Futebol pela primeira vez, atuando em casa. Se a Copa do Mundo 2014 não veio, quem sabe a medalha no Rio?

Grandes craques da América em campo

A Argentina levará grandes jogadores, liderados pelo melhor do mundo, Lionel Messi. Nossos hermanos levarão Aguero, Higuaín, Pastore e Di Maria.

Publicidade

O atual campeão, o Chile, também tem força, com os nomes de Claudio Bravo, Medel, Vidal, Marcelo Díaz e Alexis Sanchez. Neymar não vai, mesmo assim o Brasil terá grandes jogadores como William, Miranda, Marquinhos, Phillipe Coutinho, Kaká e Lucas Lima em campo. O Uruguai terá a presença dos três atuais melhores jogadores do país: Luis Suárez, Diego Godin e Edinson Cavani. Entre as seleções da Concacaf, México e EUA são mais perigosos pela força do conjunto e pelo apoio da torcida local. 

Seleção Brasileira sem Neymar

Nas duas últimas Copas América, a seleção não ficou nem entre as quatro. O desafio nesta edição será ficar entre os melhores, e sem o principal jogador: Neymar. Dunga resolveu poupá-lo para as Olimpíadas. Sem o camisa 10, o Brasil terá um time sem um "falso 9" flutuando entre a meia cancha e o ataque.

A armação de Dunga deve contar com um centroavante de ofício, uma vez que terá dois no elenco: Jonas e Gabriel Gabigol. A escolha do técnico visa dar maior responsabilidade aos outros jogadores, buscando líderes. Dunga chamou sete jogadores em idade olímpica, procurando os preparar para as disputas do Rio de Janeiro, que começam em agosto. O grupo B tem, além do Brasil, um Equador perigosíssimo, um Peru renovado e o Haiti. #PaixãoPorFutebol