O COI - Comitê Olímpico Internacional informou nesta terça-feira (17 de maio de 2016) que 31 atletas (de uma amostra de 454 competidores) foram flagrados em um exame antidoping durante as olimpíadas de Pequim, na China, em 2008, motivo pelo qual há a probabilidade de impedimento para a participação dos mesmos nos Jogos Olímpicos Rio 2016, que chegam ao Rio de Janeiro, no Brasil, em agosto, com encerramento previsto para setembro. Esses 31 atletas são originários de cerca de 12 países diferentes e estão divididos entre seis modalidades de esportes diferentes.

Apesar da probabilidade de impedimento, os atletas flagrados nesse exame antidoping ainda não estão punidos.

Publicidade
Publicidade

É que, até ocorrer a suspensão através de processo judicial, esses competidores possuem direito à reanálise, ou seja, uma contraprova que possa identificar a hipótese de contaminação. Quando ocorre uma contaminação, isso significa que o competidor ingeriu algum suplemento alimentar que oculta a presença de alguma substância proibida entre os seus ingredientes, no rótulo. É o caso, por exemplo, de anabolizantes, que são proibidos no meio esportivo profissional, já que altera o desempenho dos atletas competidores.

O COI - Comitê Olímpico Internacional também pretende fazer uma auditoria, comparando o exame antidoping e o exame de contraprova, além de outras questões, para evitar alguma irregularidade durante o procedimento. É que, recentemente, um diretor de laboratório antidoping da Rússia, chamado Grigory Rodchenkov, confessou que a sua empresa, durante um certo período de tempo, falsificou os resultados de testes realizados com atletas russos, com o apoio do próprio governo do país, visando permitir que esses competidores disputassem as olimpíadas de Pequim, Londres e Sochi, usando anabolizantes proibidos para a melhoria do rendimento.

Publicidade

O esquema criminoso foi descoberto em 2014, durante as olimpíadas de Sochi. As investigações, que contam com o apoio da Interpol e da Agência Mundial Antidoping, estão em curso e podem incriminar tanto a Rússia quanto os atletas que tiveram os seus exames adulterados. #Futebol #Rio2016 #Resenha Esportiva