Um dos mais tradicionais programas esportivos das segundas à noite, o Bem Amigos, da Sportv, esteve perto de viver, em sua última edição momento de Ultimate Fighter. Contando sempre com a apresentação de Galvão Bueno, a atração contou, além dos tradicionais comentaristas, com as presenças do técnico da #Seleção Brasileira Dunga e o coordenador-técnico da Confederação Brasileira de #Futebol (CBF), Gilmar Rinaldi, que protagonizou duas sérias discussões com Walter Casagrande Júnior, um dos analistas da Rede Globo de Televisão.

O primeiro imbróglio teve relação direta com o jogo do Brasil com o Paraguai, o último antes da paralisação das Eliminatórias Sul-Americanas para a Copa do Mundo de 2018, na Rússia.

Publicidade
Publicidade

Naquele momento, Gilmar teceu elogios a Dunga por ter feito modificações que permitissem o time sair de uma desvantagem de 2 a 0 e arrancar um 2 a 2 em pleno defensores del Chaco, mas criticou de maneira veemente, sem citar nomes, alguns comentaristas. Segundo o dirigente, eles teriam atribuído o empate somente ao fato de o adversário ter recuado em demasia. Nesse momento, Casagrande interrompeu o dirigente, esclarecendo que reconhecia os méritos do treinador da Seleção, mas reafirmando a sua opinião de o bom resultado ter sido alcançado porque o treinador do Paraguai, o argentino Ramon Diaz, abdicou de jogar, pensando unicamente em defender o então placar favorável.

Vendo que algo sério poderia acontecer, Galvão Bueno tentou apaziguar o clima, também dizendo que Dunga tinha seus méritos, no entanto, assim como Casagrande, também acreditava que o Brasil só reagiu por conta da omissão paraguaia.

Publicidade

Quando tudo parecia resolvido, surge outra polêmica. Quase no final do programa, um internauta questiona a ausência de Jefferson desde a derrota de 2 a 0 para o Chile, em Santiago. Antes que Dunga pudesse responder, Galvão Bueno questiona se não seria por causa das declarações do goleiro do Botafogo, pedindo mais respeito. Nesse instante, Gilmar disse que não os jogadores não são analisados dentro de campo e que o treinador da Seleção foi o primeiro a dar oportunidade ao arqueiro. Mais uma vez, Casagrande entrou na história, lembrando que o dirigente também havia sido jogador e um atleta tem todo o direito de demonstrar uma insatisfação.

Em sexto lugar com nove pontos, o Brasil só volta a atuar pelas Eliminatórias em setembro, em Quito, contra o Equador. Antes, os dois escretes medem forças no próximo dia 04 de junho, pela abertura do Grupo B da Copa América Centenária, que será realizada no Estados Unidos. No mesmo mês, nos dias 08 e 12, a Seleção encara, respectivamente, Haiti e Peru. #PaixãoPorFutebol