Para apresentar mais um herói olímpico, rumo aos Jogos Rio2016, vamos viajar até o longínquo ano de 1956. Há seis décadas, diante de mais de 90.000 pessoas que acompanhavam as provas do atletismo nos Jogos Olímpicos de Melborne, na Austŕalia, o paulista Adhemar Ferreira da Silva conquistava a sua segunda medalha de ouro em Olimpíadas e entrava definitivamente na galeria dos heróis olímpicos do Brasil. Com o salto de 16m35, alcançado em sua quarta tentativa, o atleta recuperou seu recorde olímpico estabelecido em Helsinque quatro anos antes, que fora quebrado pelo representante da Islândia no mesmo dia.

Adhemar foi um dos grandes atletas de seu tempo.

Publicidade
Publicidade

Seis anos antes, já surpreendera alcançando a marca dos 16 metros e igualando o recorde mundial estabelecido pelo japonês Naoto Tajima, estabelecido em 1936 e tido até então como inalcançável, marca que superaria meses depois. Após se tornar o primeiro atleta a vencer pelo Brasil nos #Jogos Pan-Americanos, Adhemar Ferreira da Silva alcançou a glória olímpica em 1952, nos Jogos de Helsinque. Após quebrar por duas vezes no mesmo dia seu próprio recordei mundial e conquistar a medalha de ouro, Adhemar foi ovacionado pelo público e protagonizou aquela que ficaria conhecida como a primeira "volta olímpica" da história.

Com uma série de bons resultados obtidos nos anos seguintes, o brasileiro chegou à Austrália como a maior esperança brasileira para os Jogos. E não decepcionou: apesar de não ter se preparado adequadamente para a competição e ter sofrido com fortes dores nos dentes até às vésperas da prova, Adhemar Ferreira da Silva confirmou seu favoritismo e conquistou a medalha de ouro, glória que o esporte nacional só voltaria a conquistar nos Jogos de Moscou, vinte e quatro anos mais tarde.

Publicidade

Adhemar Ferreira da Silva, falecido em 12 de janeiro de 2001, aos 73 anos, foi o único brasileiro bicampeão olímpico até os Jogos Olímpicos de Atenas disputados em 2004, ou seja, sua marca levou quase cinquenta anos para ser igualada. Nada mais justo, no ano em que o país sedia a competição mais importante do esporte mundial, do que recordar e homenagear um dos maiores atletas do Brasil em todos os tempos. #Curiosidades #Rio2016