O armador do Utah Jazz, Raulzinho, e o pivô do Washington Wizards, Nenê, deram entrevista coletiva na última terça-feira (17), no Rio de Janeiro, e falaram sobre a expectativa deles e dos companheiros de seleção brasileira para a disputa do torneio de basquete dos Jogos Olímpicos 2016. Enquanto Nenê é um os mais experientes da seleção, Raulzinho, apesar de ser um atleta de nível NBA, possui apenas 23 anos.

Em sua primeira temporada na NBA, Raulzinho foi eleito para o time de calouros no fim de semana do All-Star Game, e quer coroar o excelente ano com uma medalha olímpica. Segundo o armador afirmou a imprensa, o objetivo da seleção brasileira de basquete é brigar por uma medalha olímpica em casa.

Publicidade
Publicidade

"Temos time para isso", garantiu.

Apesar de ainda jovem, Raulzinho já está indo par sua segunda olimpíada. Com 19 anos, ele era o armador reserva da seleção brasileira nos Jogos de Londres 2012, banco do até então titular absoluto Marcelinho Huertas,sucesso absoluto no basquete europeu, agora jogador do Los Angeles Lakers.

Raulzinho disse que os jogadores da seleção aprenderam muito com a derrota nas quartas de final em Londres, o que deixou a equipe fora de qualquer briga por medalha nos Jogos.

Com a evolução de Raulzinho, e os poucos minutos de Huertas em quadra pelos Lakers, a disputa para saber quem vai assumir a vaga de titular como armador da seleção nas Olimpíadas ainda está completamente aberta.

Redenção de Nenê

O pivô Nenê Hilário é o atleta brasileiro com mais tempo na NBA. Ele construiu sua carreira comandando o garrafão do Denver Nuggets, e ainda mostra sua força física em Washington. 

Em Londres, Nenê sofreu com contusões e não pode ajudar a seleção brasileira da melhor maneira possível, mas agora ele garante que está 100% e pronto para começar os Jogos Olímpicos. 

O brasil está bem servido de pivôs na NBA, além de Nenê, Anderson Varejão, agora no atual campeão Golden State Warriors, e de Tiago Spliter, primeiro brasileiro campeão do basquete profissional americano.

Publicidade

O problema para as Olimpíadas fica por conta de Spliter, que teve que passar por uma cirurgia no quadril em fevereiro e não estará recuperado a tempo dos Jogos.  #Rio2016