Os torcedores das equipes que foram campeãs estaduais no último domingo, 8 de maio,  ainda devem estar de ressaca das comemorações. Os números que verão a seguir podem aumentar ainda mais o mal-estar.

Historicamente, times que vão bem nos estaduais costumam não repetir o desempenho na Série A do #Campeonato Brasileiro, que terá a largada da sua edição 2016 no próximo sábado, 14 de maio. Dificilmente um vencedor de estadual leva o título nacional e, com frequência, um ganhador de torneio local acaba entre os rebaixados para a Série B.

As equipes que perdem as decisões ou são eliminadas em fases anteriores nos estaduais acabam, na maioria das vezes, terminando na frente dos campeões locais na classificação do Brasileirão. 

Só 4 campeões nacionais ganharam o estadual no mesmo ano

Das 13 edições do Brasileirão concluídas desde a implantação do sistema de pontos corridos, em 2003, apenas quatro tiveram campeões que faturaram, no mesmo ano, o título estadual.

Publicidade
Publicidade

A grande maioria dos torneios, quase 70%, foi conquistada por quem não conseguiu levantar a taça em sua paróquia na pré-temporada, mas melhoraram de desempenho ao longo do ano.

Na zona do rebaixamento, presença de campeões estaduais é frequente

Dos 50 clubes rebaixados desde 2003, 24% foram campeões estaduais na mesma temporada. Quase um em cada quatro. O que significa que há uma possibilidade razoável de que, ao final de cada edição do Brasileirão, um dos relegados à Série B tenha sido vencedor de um torneio local no começo do ano uma vez que quatro são as equipes mandadas para a Segunda Divisão.

Duelo campeão x outros é desfavorável aos vencedores

Em uma análise da campanha dos campeões estaduais contra os demais times de sua unidade federativa ao longo das 13 temporadas completadas do Brasileirão, a vantagem é dos que foram eliminados antes na competição local.

Publicidade

Nesse levantamento, foi feita a comparação entre a posição final dos clubes de todos os estados que tinham naquele ano ao menos dois integrantes na Série A.

Em 74 comparações possíveis, os times que foram campeões estaduais acabaram em posição mais vantajosa que seus rivais em 34 oportunidades (46%). Apesar de um início inferior de temporada, as equipes que ficaram para trás em seus Estados terminaram em classificação melhor no Brasileirão em 54% dos torneios.

Paulistão é a maldição dos campeões

Nenhum estadual tem índices tão negativos para seu vencedor que o Paulistão. Nunca um time de São Paulo foi campeão da competição local e do Brasileirão no mesmo ano. Mas a "maldição" vai muito além disso.

Jamais o ganhador do Paulistão conseguiu manter sua vantagem em relação aos rivais no Brasileirão e concluir a competição na frente dos rivais. Sempre foi batido por, ao menos, um adversário local na classificação final.

Rio tem ligeira vantagem para os eliminados

Também no Campeonato Carioca existe vantagem em relação aos clubes que caem antes na comparação com os que são campeões estaduais, mas ela é bem menor em relação ao que acontece em São Paulo.

Publicidade

Nas 13 edições do Brasileirão de pontos corridos, os que não venceram a competição local ficaram na frente do campeão em sete (53,8%).

Alguns Estados apresentam vantagem para campeões

Em alguns estados, os campeões levam vantagem na comparação. Em Minas Gerais, o ganhador do Mineiro terminou na frente do rival em 58,3% das edições do Brasileirão. No Paranaense e no Catarinense, a diferença é de 60% a 40%. No Gauchão, o índice é de 53,8% a 46,2%. Em Goiás, é 100% favorável ao campeão estadual, mas só houve uma ocasião em que dois times do Estado estiveram na Série A do Brasileirão. No caso de Pernambuco, a disputa é 50% a 50%. #Futebol #PaixãoPorFutebol