Seis anos de treinos, amor ao esporte, incentivo do professor e uma vontade enorme de nunca mais parar. Assim podem ser descritos os atletas Matheus Filipe Viana Pedrosa, 18 anos, e Lucas de Andrade Pinto Nonato, 15 anos, que acabam de conseguir a graduação máxima do Taekwondo: a sonhada faixa preta. “Essa é a renovação do esporte na região. Poder participar da profissionalização de jovens atletas é um privilégio e, com a chegada das Olimpíadas no Brasil e a passagem da Tocha aqui em Itabirito, a vontade de vencer no esporte está ainda maior”, ressalta Douglas Rosendo, mestre em artes marciais que carregou a Tocha Olímpica em sua cidade, dia 13 de maio.

Publicidade
Publicidade

A graduação dos jovens aconteceu no início de maio e Matheus Filipe já sonha com as Olimpíadas de 2020. O faixa preta conta que o evento no Brasil “deu um gás maior” ao esporte. “As pessoas vêem na TV e até o professor levou a tocha aqui em Itabirito. Então mostra que é um esporte que pode crescer ainda mais e conquistar medalhas para o Brasil”, destaca o atleta, que quer garantir seu lugar ao pódio na próxima edição dos jogos.

Mas durante o tempo de treino, os atletas contam que nem tudo foi fácil. Como a maioria das crianças, Lucas conta que entrou nas aulas como uma obrigação exigida pelos pais. “Então o que marcou para mim foi quando mudei de academia, para a Sport Defense, com 10 anos. Foi aí que eu comecei a gostar dos treinos. Agora não paro mais”, conta o atleta, que acaba de conquistar uma vaga no Campeonato Brasileiro de Taekwondo, que acontece em Londrina, nos dias 25 e 26 de junho.

Publicidade

Para quem está começando no esporte, Lucas Nonato tem um recado especial: “As Olimpíadas divulgam as artes marciais e, quem quiser investir, não pode parar. Para mim, o tempo passou muito rápido, mas foi muito treinamento para chegar até aqui”. Para o professor Douglas Rosendo, eventos mundiais como os Jogos Olímpicos são fundamentais para despertar talentos como Matheus e Lucas e garantir que o esporte sobreviva até as próximas gerações. “Em 2020, poderemos estar comemorando a graduação das crianças que decidiram investir no esporte hoje”, encerra o mestre.

A faixa preta

Durante a cerimônia de entrega das faixas pretas, que aconteceu na Academia Sport Defense, Douglas Rosendo explicou para os atletas e familiares a importância da graduação. “A faixa preta é um símbolo. O material é como o da faixa branca, e ela vai escurecendo conforme o discípulo se propõe a dedicar pelo esporte”, inicia o mestre. “Então ela traz muito mais que uma cor mais escura ou que uma graduação, a faixa conquista o respeito dos demais e traz deveres para o atleta, que estão ligados à ética, valores, respeito, disciplina... ela forma um ser diferenciado. Então o faixa preta não é formado apenas para lutar no tatame, a conduta dele fora da academia precisa ser condizente ao que ele representa no esporte”, destaca o professor.

Publicidade

Ao entregar a faixa preta, Douglas ainda ressaltou como será o futuro de Matheus e Lucas. “Junto com essa faixa preta nos temos um novo ser humano, um novo cidadão. Vocês se tornam formadores de opinião e um espelho para os ouros alunos. Então a responsabilidade que carregam não é simplesmente amarrar uma faixa preta na cintura, vocês precisam ser exemplo em suas atitudes, palavras, gestos. Se tornarem referência para a sociedade”, conclui o mestre em artes marciais. #Entretenimento #Rio2016 #Comportamento