Em razão de lesões, o Palmeiras ficou sem um dos seus principais jogadores por mais de 230 dias e jogou a temporada 2015 sem poder contar com Cleiton Xavier, de 33 anos, nos jogos mais importantes como na fase final da Copa do Brasil, torneio no qual sagrou-se campeão, nos pênaltis, sobre o Santos.

Para 2016, o camisa 10 do Verdão se preparou na intenção de, claro, retomar o seu melhor e criar a opção de ligação entre defesa e ataque, levando o time de Parque Antarctica rumo às metas adversárias.

Mas na partida desta quarta-feira (25), contra o Fluminense, seu terceiro jogo como titular; o meia permaneceu no gramado apenas no primeiro tempo, ele jogou os 90 minutos na derrota por 2 a 1 para a Ponte Preta e sentiu incômodo com dores musculares.

Publicidade
Publicidade

Agora, o Departamento Médico do #Palmeiras realizará exames no atleta para avaliar a gravidade do problema e Cleiton Xavier passa a ser dúvida para o Choque-Rei do próximo domingo (29), no Morumbi, às 16h, pela 4ª rodada do Campeonato Brasileiro.

O auxiliar técnico Cuquinha, irmão do treinador palmeirense e que comandou a equipe no Allianz Parque devido à suspensão de Cuca, disse que Xavier cansou-se acima do normal e reclamou de dores no adutor.

Apesar de o jogador não ter dado declarações à imprensa após a partida afim de que comentaristas e analistas do #Futebol pudessem dimensionar o tamanho do problema que o meia enfrenta, mais uma vez, uma lesão em Cleiton Xavier é sempre preocupante dado seu histórico recente com longo período em tratamento fora dos gramados.

Se for constatada lesão no atleta, ficará evidenciada a impossibilidade de ele ser titular no elenco palmeirense, isto porque ele sofreu maior carga de trabalho nesta última semana, tanto na Academia de Futebol quanto no jogo do último sábado (21), em Campinas, partida em que disputou os dois tempos depois de quase um ano sem permanecer em campo um jogo inteiro.

Publicidade

O corpo clínico do Palestra Itália tem um trabalho especial com o atleta, diferente de outros jogadores lesionados. Todos os dias, antes de ir a campo na Academia, o jogador é avaliado separadamente dos companheiros e o resultado desta análise é que determina se ele pode, ou não, treinar com bola e em coletivos realizados no Centro de Treinamento já que as atividades exigem mais das articulações e dos músculos dos atletas. Quando sua entrada no gramado é reprovada, enquanto o elenco treina em campo, Cleiton Xavier fica na parte interna para realizar trabalhos regenerativos, com caixa de areia ou com fisio e hidroterapia.

Cuca deve optar para a entrada de Alecsandro e Moisés, entre os titulares para a partida contra o São Paulo, no domingo, na impossibilidade de poder contar com o meia. Assim, a função de armar as jogadas fica com o segundo, enquanto 'Alecgol' assumi a posição de contro-avante, possibilitando maior centralização a Dudu e deixando Gabriel Jesus e Róger Guedes atuando mais pelas laterais, no ataque. #PaixãoPorFutebol