Pela primeira vez na história, as provas da maratona aquática dos Jogos Olímpicos serão disputadas em águas abertas, na mundialmente famosa praia de Copacabana. Vinte atletas já estão classificados para as disputas, entre eles três brasileiros: Poliana Okimoto, Ana Marcela Cunha e Allan do Carmo.

Ana Marcela Cunha foi eleita pela FINA (Federação Internacional de Natação) a melhor maratonista do mundo em 2015, repetindo os feitos de 2014 e 2010, e é forte candidata a uma medalha olímpica. Ana é atleta da Marinha do Brasil, dentro do Programa Olímpico de alto rendimento (PROLIM), e também ganhou o prêmio Brasil Olímpico, concedido pelo COB, como a melhor atleta do país em 2015.

No próximo mês de junho, vai acontecer o último qualificatório olímpico, em Setúbal, Portugal.

Publicidade
Publicidade

As mulheres competem no dia 11 e os homens no dia 12. Os países que têm pelo menos um atleta já classificado, não poderão competir em Setúbal. As eliminatórias vão selecionar mais vinte nomes para as Olimpíadas, os 10 primeiros de cada sexo, exceto se houver coincidência de nadadores do mesmo país. Nesse caso, a vaga fica para o seguinte na classificação final.

Mais cinco vagas (femininas e masculinas) serão distribuídas de acordo com a representação de cada continente. Assim, África, Américas, Ásia, Europa e Oceania terão direito a mais uma vaga para o nadador e nadadora de melhor performance no qualficatório olímpico.

Conheça os grupos de atletas já classificados para a Rio 2016:

Feminino Ana Marcela Cunha (Brasil), Poliana Okimoto (Brasil), Haley Anderson (Estados Unidos), Eva Risztov (Hungria), Rachele Bruni (Itália), Aurélie Muller (França), Sharon Van Rouwendaal (Países Baixos), Kalliopi Araouzou (Grécia), Anastasiia Krapivina (Rússia) e Isabelle Franziska Harle (Alemanha).

Publicidade

Masculino Allan do Carmo (Brasil), Jack Burnell (Grã-Bretanha), Jordan Wilimovsky (Estados Unidos), Sean Ryan, (Estados Unidos), Richard Weinberger (Canadá), Marc-Antoine Oliver (França), Federico Vanelli (Itália), Ferry Wertman (Países Baixos), Simone Ruffini (Itália) e Spyridon Gianniotis (Grécia). #Rio2016