Os resultados da investigação de manipulação em exames antidoping em Sochi, durante as Olimpíadas de Invernos de 2014, poderão decretar a participação ou não do maior país do mundo nos Jogos Olímpicos Rio-2016. O presidente do COI (Comitê Olímpico Internacional), Thomas Bach, afirmou que a participação russa em terras cariocas depende fortemente do resultado das investigações da Agência Mundial Antidoping, que trabalha para dar veredicto acerca dos resultados em Sochi-2014.

Thomas Bach não afirmou com todas as palavras de que a decisão do COI será devidamente a suspensão do país dos Jogos Rio-2016. Entretanto, em declaração a um jornal alemão, o presidente do COI afirmou categoricamente que a decisão de uma futura punição passa pelos resultados das investigações da Wada (Agência Mundial Antidoping).

Publicidade
Publicidade

A Agência trabalha com acusações de manipulação de resultados de doping antes dos Jogos Olímpicos de Sochi-2014, realizados na Rússia. Segundo as acusações, o Estado Russo teria auxiliado a bancar um grande sistema de doping que antecedeu os exames realizados durante os últimos jogos de inverno. Dessa forma, Bach afirmou que, caso se comprove as provas de tal crime, e este afete demais modalidades esportivas – podendo, inclusive prejudicar nos Jogos Rio-2016 –, o COI, junto às federações esportivas internacionais, deverá julgar se houve crime coletivo ou ação dolosa individual.

Ainda seguindo suas declarações, o presidente afirmou que as denúncias são ricas em detalhes e, por esse motivo, as investigações se tornam tão intensas. Complementando ainda, Bach afirmou que, caso as denúncias se mostrem verdadeiras, o caso tomará uma proporção enorme, e estará num patamar criminal jamais visto.

Publicidade

Para finalizar as declarações, Bach resumiu que os atletas envolvidos precisam comprovar que os exames antidoping foram realizados segundo as regras internacionais de regulamentação antidoping no esporte.

Gregori Rodchenkov foi o responsável pelas denúncias às manipulações. O antigo chefe do laboratório antidoping de Moscou afirmou que, ao todo, 15 medalhistas russos nos Jogos de Inverno competiram utilizando substâncias ilícitas. Nada fora comprovado até o momento, entretanto, segundo o jornal americano The New York Times, o departamento de justiça dos EUA já iniciou investigação ao caso.

Governo Russo define como falsas as acusações

Segundo comunicado oficial do governo russo, feito pelo porta-voz do Kremlim, Dmitry Peskov, as declarações foram realizadas de maneira irresponsável por alguém que Peskov adjetivou como um “desertor” (Rodchenkov hoje vive nos Estados Unidos), chamando o antigo chefe do laboratório de Moscou de caluniador e que as afirmações não possuem bases, e ainda completou afirmando que não há provas contundentes que sustem o fato. No comunicado oficial, o governo russo afirmou que as declarações de Rodchenkov se devem ao fato de o ex-diretor ter sido demitido do cargo e, atualmente, residir nos Estados Unidos.      #Crise #Rio2016 #Investigação Criminal