O presidente interino do Brasil, Michel Temer, ligou, nessa última segunda-feira, (16), para Thomas Bach, presidente do Comitê Olímpico Internacional para confirmar que os Jogos Olímpicos da cidade do Rio de Janeiro de 2016 irá ocorrer da melhor maneira possível. Por telefone, no entanto, Temer fez uma revelação que pode pegar os organizadores do Evento de surpresa. Isso porque o presidente interino já havia confirmado que participaria da cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos, que acontece no dia 5 de agosto.

Nessa conversa por telefone, Temer não confirma se de fato estará presente no dia de abertura dos Jogos. No entanto, Temer confirmou a participação importante dos ministros Henrique Eduardo Alves do Turismo e Leonardo Picciani, que é o atual ministro do Esporte.

Publicidade
Publicidade

“Não existem surpresas. A preparação das áreas está dentro do cronograma, dentro da normalidade. – disse o ministro em entrevista coletiva no Palácio do Planalto – Estamos na fase final dos preparativos, numa expectativa positiva. O presidente Temer falou à tarde com o presidente do COI, Thomas Bach, foi uma conversa positiva. (...)”, contou Picciani.

Ele ainda afirmou que o governo Temer está dando todas as garantias possíveis para que os Jogos Olímpicos da cidade do Rio de Janeiro de 2016 aconteça dentro do que foi planejado. Já com relação às prováveis manifestações que poderão acontecer durante a execução do Evento no Rio de Janeiro, o ministro afirmou que não há necessidade, por parte do governo interino, de temer qualquer tipo de manifestação pacífica, desde que a mesma aconteça dentro dos princípios legais da Constituição Brasileira de 1988.

Publicidade

Ainda de acordo com Picciani, apesar da equipe ministerial ser totalmente diferente da última petista, todos que estão fazendo parte desse grupo de ministros, segundo ele, estão por dentro de todos os processos que envolvem os Jogos Olímpicos da cidade do Rio de Janeiro.

Já com relação há alguma coisa que possa atrapalhar os Jogos, a partir do dia 5 de agosto, Picciani afirmou que não: “Não haverá descontinuidade. Não identificamos nenhum risco de continuidade neste final, - contou o ministro, bastante seguro em suas palavras – estamos na fase de ajuste”, completou. #Rio2016