A atleta Ana Cláudia Lemos, que é uma das velocistas mais conhecidas do Brasil, foi demitida pelo Clube de Atletismo BM&F BOVESPA na última quarta-feira (11) e não deve participar dos Jogos Olímpicos Rio 2016, que acontecem no Rio de Janeiro em agosto. De acordo com a empresa contratante, a atleta violou uma importante cláusula contratual do seu vínculo de exclusividade, que se refere ao código de conduta do esporte dentro do clube. Os contratados são proibidos de consumirem suplementos alimentares e complementos anabolizantes sem a autorização da BM&F BOVESPA.

No último sábado (7), Ana Cláudia Lemos foi suspensa por cinco meses pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) do Atletismo por consumir um suplemento alimentar que contém um ingrediente chamado oxandrolona.

Publicidade
Publicidade

Graças à presença do oxandrolona no seu organismo, ela foi flagrada em um exame de antidoping e, durante o julgamento, que aconteceu em segredo de justiça, foi confirmado o uso da substância em questão. A demissão do Clube de Atletismo BM&F BOVESPA não ocorreu especificamente por causa do exame antidoping, mas sim pela violação do contrato. 

Em sua defesa, a atleta alega que solicitou, em uma farmácia de manipulação, um suplemento alimentar natural, afirmando que não sabia que o mesmo viria com o ingrediente oxandrolona em sua fórmula. A substância trata-se de um anabolizante que mexe com a testosterona, substância essa que é proibida no meio esportivo.

Como o exame antidoping foi realizado em fevereiro desse ano, no Camping Nacional de Treinamentos dos Revezamentos, a atleta estaria livre para voltar ao trabalho em julho, completando assim os cinco meses de suspensão.

Publicidade

Contudo, por causa da demissão, ela está, inicialmente, fora dos Jogos Olímpicos Rio 2016. A única forma de evitar a saída das olimpíadas e do clube é provando a sua inocência na justiça.

Os advogados dela solicitam agora, em fase de recurso, uma contraprova (chamada amostra B) que pode indicar contaminação por parte da farmácia de manipulação. Já a Autoridade Brasileira de Controle de Dopagem (ABCD) requer o agravamento da pena dela. #Futebol #Rio2016 #Resenha Esportiva