Entre 2009 a 2014, o clube de General Severiano esteve dirigido por Maurício Assumpção, e nesse período houve transações e operações muito questionáveis. Ao menos foi o que apontou o relatório da auditoria externa feita pelo grupo "Ernst & Young".

O relatório, apresentado na noite de terça-feira (21) em reunião deliberativa no ginásio de General Severiano, apontou discrepância na contratação de Renato. O antigo mandatário teria adquirido 100% dos direitos do atleta em maio de 2011, porém, levantamentos indicaram que, em junho do mesmo ano, mais 80% desses mesmo direitos relacionados ao atleta foi comprado pelo clube. Isso mesmo, o #Botafogo, sob a tutela de Assumpção, comprou 180% dos direitos de um jogador.

Publicidade
Publicidade

Naquele momento, o volante chegava como a grande contratação do clube, pois o Botafogo vencia a disputa pelo atleta com outros dois clubes brasileiros: Corinthians e Santos.

O atleta, que na ocasião veio transferido do Sevilla, tinha nas garantias contratuais um salário mensal de 380 mil reais por três anos no clube carioca. A auditoria aponta também a estranha evolução salarial de Eduardo Húngaro, ex-auxiliar técnico do Botafogo. Há também apontamentos quanto aos 5% recebidos pela empresa do pai de Assumpção - "Romar Representações LTDA" - em cada contrato firmado que o Alvinegro fazia com a Viton 44 - naquele momento, era a principal patrocinadora do clube -.

Carlos Eduardo Pereira foi cauteloso ao falar sobre o assunto. Revelou que os dados ainda estão sendo levantados e que não iria antecipar juízo sobre os fatos.

Publicidade

Revelou ainda que em tempo oportuno os responsáveis serão chamados para dar explicações sobre o ocorrido. Mas já adiantou que trata-se de um caso cuidado pelo advogado criminalista contratado do Botafogo. Afirmou que o clube irá levar adiante essa investigação e que acredita que em meados de julho o processo de expulsão de Maurício Assumpção esteja concluído. O atual dirigente do clube não quis revelar os valores que a auditoria identificou.

Aproveitando a oportunidade, outros assuntos foram trazidos ao conselho do clube, e um desses tratava da liberação da "Arena Botafogo". Ao que tudo indica, o estádio estará apto a receber o jogo do dia 3 de julho. A partida será contra o Santa Cruz. Ainda sobre a casa do Fogão, foi discutido se deveria ou não alugar o novo espaço para os rivais Fluminense e Flamengo. Carlos Eduardo foi direto ao afirmar que não haverá negócio enquanto estiver correndo o imbróglio judicial envolvendo Willian Arão.

Também se discutiu sobre a possibilidade de utilizar o Estádio Nilton Santos para shows a partir de 2017. Estiveram em pauta também o controle orçamentário e casos de lesões. Ou seja, a reunião rendeu. #Futebol