Durante a partida realizada entre Santos e São Paulo esta tarde (26), no Pacaembu, pelo Campeonato Brasileiro 2016, um dos comentaristas da Rede Globo, Walter Casagrande, pediu a palavra a Kleber Machado para que pudesse comentar a situação do ex-atacante do Botafogo, Jóbson, acusado de estuprar quatro menores de idade em Couto Magalhães (TO).

Já ao final do jogo, quando o narrador anunciava os destaques do programa Fantástico, Casagrande – que havia pedido para ser questionado sobre o assunto minutos antes – opinou sobre o caso do atleta. “Eu fico muito triste com a situação do Jóbson. Era um jogador com futuro promissor”, comentou, lembrando o início da carreira do acusado.

Publicidade
Publicidade

Recordando as primeiras polêmicas em que o atleta se implicou, Casagrande falou sobre dependência química e como ela pode afetar a vida do usuário. “Os primeiros problemas dele foram com drogas. Se alguém ainda se pergunta se as drogas destroem vidas, o Jóbson é a prova”, afirmou. O comentarista ainda usou de si próprio como exemplo. “Eu sou dependente químico em tratamento e sei como isso pode prejudicar uma vida”, contou.

DEPENDÊNCIA E INTERNAÇÃO

Walter Casagrande, também chamado de Casão pelos companheiros de transmissão, foi internado em 2007 para tratamento de sua dependência química em heroína, cocaína e chá de cogumelo. Ele retornou à TV no dia 20 de abril de 2009, quase dois anos depois do ocorrido. Em julho, voltou a comentar as transmissões #Futebolísticas da Rede Globo.

Em 2015, um novo susto.

Publicidade

Após sofrer um infarto, Casagrande permaneceu internado na UTI do Hospital Total Cor por cinco dias. Na ocasião, foram necessárias duas cirurgias: angioplastia (cirurgia realizada com o intuito de desobstruir uma artéria do paciente) e um cateterismo.

JÓBSON

Jóbson Leandro Pereira de Oliveira, ex-atacante do Clube Botafogo de Futebol e Regatas, teve a prisão preventiva executada na manhã da última quinta-feira (23), em Couto Magalhães (TO), após uma adolescente de 13 anos ter denunciado à polícia que fotos pornográficas dela estavam circulando em grupos de uma rede social. Ela alegou ter sido aliciada, embriagada e drogada pelo atleta. Outras três vítimas deram suporte a versão da garota. Uma quinta investigação ocorre sob segredo de justiça. #Crime #Saúde