A seleção Chilena é campeã da Copa América Centenário, disputada nos Estados Unidos, após emocionante vitória contra a seleção Argentina. A partida foi encarada como um jogo revanche, já que na última edição do torneio o Chile sagrou-se campeão em final exatamente contra os hermanos.

A partida começou muito movimentada, com a Argentina marcando sob pressão no campo adversário. Com apenas 20 segundos de jogo, a Argentina apresentou o seu cartão de visita. Éver Banega arriscou da entrada da área e deu um susto no goleiro chileno Claudio Bravo. No entanto, o Chile logo equilibraria as ações, dando pouco espaço para Lionel Messi.

Publicidade
Publicidade

Aos 21 minutos a Argentina teve sua melhor chance em toda a partida. Em falha individual do zagueiro chileno Medel, o atacante argentino Higuaín entrou cara a cara com o goleiro Bravo e concluiu para fora, para desespero dos incrédulos torcedores argentinos.

A partida continuava equilibrada e muito disputada, até que, aos 28 minutos do primeiro tempo, o zagueiro chileno Marcelo Díaz fez falta em Messi, obstrução que o árbitro brasileiro Héber Roberto Lopes  entendeu ser passível de cartão amarelo. Como Díaz já havia tomado outro cartão amarelo em jogada anterior, acabou recebendo o cartão vermelho, sendo expulso e deixando a seleção chilena com 10 homens. Após a expulsão de Díaz o Chile deu uma recuada e a Argentina passou a dominar a partida, com maior espaço para o toque de bola de seus atacantes.

Publicidade

Aos 40 minutos, Rojo dá forte entrada por trás em Vidal. Os jogadores do Chile então partem para cima do árbitro exigindo a expulsão do lateral esquerdo argentino. Rojo é expulso e a Argentina passa também a ter 10 jogadores.

Com um primeiro tempo tenso e catimbado, o jogo prometia fortes emoções para a etapa final. 

No início do segundo tempo o panorama não se modificou. O jogo continuava muito equilibrado e indefinido. 

Mesmo com mais espaços, as equipes pareciam temer uma maior exposição, principalmente nos 15 minutos finais. Com poucas jogadas de perigo de ambos os lados, as seleções pareciam esperar por um lampejo de genialidade de Lionel Messi ou Alexis Sánchez.

O equilíbrio se manteve até o fim do segundo tempo, levando a partida para a prorrogação.

A prorrogação reeditou o que foi toda a partida. Muito equilíbrio e algumas jogadas de ataque mais agudas de ambos os lados, mas sem gols, só aumentando o drama da final. 

Na disputa de pênaltis, assim como na última final, deu Chile: 4 x 2.

Publicidade

Messi perdeu sua cobrança, isolando a bola sobre o Gol de Bravo.

Fim de jogo, Chile campeão da #Copa América Centenário, mantendo a Argentina em seu longo jejum de 23 anos sem título.

A última geração campeã do futebol argentino conquistou o título da Copa América de 1993, com uma equipe onde se destacavam os novos talentos Gabriel Batistuta, Simeone e Redondo. Naquela final, quando a Argentina bateu o México com dois gols de Batistuta, nossos hermanos jamais poderiam imaginar que seu outrora vitorioso futebol amargaria 23 anos de infortúnios. 

Apesar do novo fracasso argentino, os brasileiros não têm muito a comemorar. Após mais uma participação ridícula em competição internacional, restou apreciar o eficiente futebol praticado  por chilenos e argentinos.