A iniciativa do Fluminense em firmar uma parceria com o STK Samorin, time da segunda divisão da Eslováquia, para ter uma filial no continente europeu teve repercussão positiva por uma grande parcela da mídia brasileira. Em sua coluna no portal "Máquina do Esporte" desta sexta, Erich Beting teceu vários elogios à iniciativa da diretoria da agremiação carioca.

Segundo o jornalista, o Brasil, ao longo de muitas décadas, exportava mão-de-obra de qualidade, mas não tinha qualquer preocupação em manter-se na "vanguarda técnica e organizacional do futebol do mundo", o que gerou uma perda de espaço dentro do cenário mundial.

Para o profissional da comunicação esportiva, o Tricolor, agindo dessa maneira, "calçou as sandálias da humildade", uma vez que passará a fazer o caminho inverso da prática atual, ou seja, irá até um centro mais desenvolvido para aprender como os jogadores brasileiros podem ser mais bem preparados e, quem sabe, tornar-se uma geração maior de receitas para o clube em futuras negociações.

Publicidade
Publicidade

Beting também acredita que a "venda do conceito de internacionalização da marca do #Fluminense a partir da filial europeia é uma estratégia muito interessante", principalmente para acabar com a mística de que o futebol praticado no Brasil ainda é o número 1 dentro do "mundo da bola".

De acordo com o projeto, que ainda necessita ser aprovado em reunião do Conselho Deliberativo prevista para o fim de julho, o Fluminense adquirirá 77% das ações do Samorim, com o qual já tem uma parceria voltada para as categorias de base, rendendo bons frutos. Entusiasta da iniciativa, o presidente tricolor Peter Siemsen ressalta que o principal objetivo é conquistar uma vaga na Liga dos Campeões da Europa.

"Essa foi uma forma que encontramos para poder estudar a metodologia de ensino europeia e, quem sabe, ter algum dia a marca do Fluminense num torneio de renome como a Liga dos Campeões", declarou o mandatário da equipe as Laranjeiras durante um encontro do grupo de trabalho para a internacionalização do futebol na CBF.

Publicidade

Caso o acordo seja firmado, o Flu deverá investir 250 mil na estrutura do clube eslovaco, verba essa levantada através de negociações de atletas. A ideia é de, quando o Samorim jogar em casa, usar o seu uniforme, mas, em partidas como visitante, trajar as cores do Tricolor das Laranjeiras. #Futebol Internacional #PaixãoPorFutebol