Tal qual a maioria dos clubes brasileiros, o Corinthians enfrenta sérias dificuldades financeiras e, em função disso, encontra obstáculos para quitar seus compromissos. E além das despesas administrativas e da área do futebol, o alvinegro paulista possui uma dívida milionária por conta da construção do Itaquerão. 

Por conta disso, representantes do clube paulista planejam reivindicar junto ao BNDES uma ampliação do prazo para quitar a dívida de R$ 400 milhões referentes à construção do Itaquerão. No momento, o #Corinthians dispõe de 180 meses para isso e com prestações em torno de R$ 5 milhões. 

No Parque São Jorge existe a expectativa de que essa proposta possa ser viável a partir do momento em que o presidente da República #Michel Temer sinalizou com a possibilidade de renegociar a dívida dos governadores de Estados que contraíram empréstimo junto ao BNDES para estádios que serviram de sede para a Copa do Mundo de 2014.

Publicidade
Publicidade

O diretor de finanças do Corinthians, Emerson Piovezan, conforme o jornal O Estado de São Paulo, entende que, se houver algum benefício para os estados referente a obras para construção de estádio de futebol, esta deveria se estender também ao Corinthians. 

Junto ao Governo Federal já existe um trabalho das equipes econômica e jurídica, visando a definição de uma proposta a ser apresentada aos Estados para a renegociação das dívidas contraídas para a realização de obras em estádios que serviram de palco a jogos da Copa do Mundo, realizada no Brasil, em 2014. A apresentação desta proposta deverá ocorrer nos próximos dias. 

O Corinthians vem tentando, desde o ano passado, resolver essa questão da renegociação da dívida para a construção do Itaquerão junto a Caixa Federal, repassadora dos recursos do BNDES uma carência de 17 meses para quitar o empréstimo.

Publicidade

A partir desta proposta do presidente Michel Temer, representantes do clube paulista entendem que, além de aumentar o número de parcelas a serem pagas, podem também diminuir o valor das mensalidades. Os representantes corintianos alegam que o clube teve apenas 19 meses para iniciar o pagamento do empréstimo enquanto, mas outras arenas foram beneficiadas com uma carência de 36 meses.  #PaixãoPorFutebol