O ex-jogador de #Futebol Jobson se envolveu em mais uma polêmica que acabou na delegacia. Afastado do futebol por quatro anos por ordem da FIFA, após se negar a fazer o teste antidoping, o ex-atleta do Botafogo voltou a ser assunto nas páginas policiais na semana passada.

Após acusações de uso de cocaína, prisão por dirigir embriagado e resistir à ação policial, Jobson foi acusado de estupro por uma adolescente em Conceição do Araguaia, no Pará, onde vive desde que se afastou dos gramados.

Uma jovem de 13 anos acusou Jobson de lhe dar bebidas alcoólicas em festas que eram organizadas no sítio do rapaz com outros amigos e ter abusado dela e de outras três meninas quando ainda estavam sob os efeitos do álcool. A garota procurou a justiça após uma foto dela ser compartilhada no WhatsApp.

Publicidade
Publicidade

Até então, a garota dizia apenas ter uma relação íntima com Jobson.

Em depoimento à Polícia Civil na última segunda-feira (27),  a garota mudou sua versão e disse que mentiu quando contou que tinha sido estuprada por Jobson.  A adolescente foi levada para a Promotoria de Justiça de Conceição do Araguaia, enquanto a polícia investiga se ela sofreu alguma intimidação para que o depoimento fosse alterado. As outras garotas que estavam na festa confirmaram a violência sexual.

Jobson está preso desde 23 de junho. Na tarde do último sábado (25), foi transferido para o presídio de Marabá, no Pará, onde cumprirá prisão preventiva até que seja feita a audiência na Justiça sobre o caso.

O ex-jogador diz ser inocente e alega que conseguirá provar que nada tem a ver com a situação relatada pelas jovens.

Publicidade

O advogado de defesa, Bruno William, anunciou nesta terça-feira (28) que deixou o caso e, em breve, um novo advogado será anunciado pela família do ex-atleta.

Jobson apareceu para o futebol nacional pelo Botafogo, clube do Rio de Janeiro.  Em 2009, foi um dos responsáveis pela ótima campanha da equipe e chamou a atenção de outros clubes no Brasil. Foi pego no exame antidoping, quando acusou uso de cocaína. Na época, confessou o uso de crack e foi suspenso por dois anos. Após recorrer à sentença, conseguiu reduzir a pena para sete meses, mas uma série de casos de indisciplina afastaram o garoto promissor do caminho de glórias do futebol. #Polícia Federal