Esta quinta-feira (02) é especial para a massa alviverde de São Paulo. Neste dia, o Palmeiras celebra 20 anos de um grupo que, entre várias virtudes, tinha a vocação do gol. Comandado pelo técnico Vanderlei Luxemburgo, o clube de Palestra Itália tinha em seu elenco jogadores de reconhecida qualidade técnica. Os principais destaques da chamada "Máquina Verde" eram os meias Djalminha e Rivaldo, além do atacante Luisão. Os dois últimos, inclusive, fariam parte da Seleção Brasileira de 2002, campeã da Copa do Mundo realizada, naquele ano, na Coreia do Sul e no Japão.

Em 1996, depois de perder o título para o rival Corinthians na temporada anterior, o #Palmeiras não deu brechas para qualquer tipo de dúvida ao longo daquele Campeonato Paulista.

Publicidade
Publicidade

Era um time que, na base do toque de bola, encantava os seus torcedores e arrasava com quem tentasse enfrentá-lo. Conquistou aquele Estadual sem perder um clássico.

Nos 30 jogos disputados, o Verdão obteve 27 vitórias, dois empates e só foi derrotado pelo Guarani (1 a 0), em Campinas, totalizando 83 pontos, quase 30 a mais do que o São Paulo, segundo colocado. Outro fato que chamou a atenção foi o número de gols marcados. Ao todo, os esmeraldinos balançaram as redes adversárias por 102 vezes e foi vazado em apenas 19 ocasiões.

Além da derrota para o Guarani, o Palmeiras também não fez gols contra o União São João. Atuando em casa, a equipe de Araras segurou o 0 a 0 com a "Máquina Verde".

De todos os jogos, dois chamaram a atenção. O primeiro foi na Vila Belmiro, quando, mesmo diante da pressão da torcida local, o Palmeiras não tomou conhecimento do Santos e aplicou uns sonoros 6 a 0.

Publicidade

Para quem achava isso bom, algum tempo depois, no estádio Santa Cruz, em Ribeirão Preto, a vítima foi o Botafogo-SP e de forma mais impiedosa: 8 a 0.

Tamanha superioridade foi coroada em um Palestra Itália abarrotado. Necessitando apenas de um empate, os palmeirenses foram mais "humildes" e, com gols de Luisão e Cléber, garantiram mais um Paulistão ao derrotar o Santos por 2 a 0.

Já em termos nacionais, a "Máquina" não obteve o mesmo êxito. Na Copa do Brasil, eliminação para o Cruzeiro nas semifinais; nas quartas-de-final do Brasileirão, o algoz foi o Grêmio.

Time-base do Palmeiras em 1996: Velloso, Cafu, Sandro, Cléber e Júnior; Amaral, Flávio Conceição, Rivaldo e Djalminha; Muller e Luisão. #Futebol #PaixãoPorFutebol