Era início de 2015 quando Paulo Nobre decidiu chamar Alexandre Mattos, então ex-diretor de #Futebol do Cruzeiro, bicampeão brasileiro na Toca da Raposa, para negociar e reforçar o time do #Palmeiras, quase rebaixado no ano anterior, com os melhores atletas disponíveis no mercado.

A reformulação no elenco palmeirense para a temporada 2015 deu melhores resultados do que os obtidos no ano anterior. O Palmeiras disputou a final do Campeonato Paulista, que acabou ficando com o Santos que, meses depois, acabou tomando o revés com a conquista palmeirense da Copa do Brasil, nos pênaltis, no Allianz Parque, dia 2 de dezembro.

Marcelo Oliveira, então técnico do Verdão naquela temporada, pedia contratações pontuais, especialmente no meio campo do time.

Publicidade
Publicidade

Era consenso, entre diretoria e comissão técnica, a necessidade da chegada de reforços para a disputa da Libertadores da América 2016. Diante disso, Mattos fez mais 12 novas contratações.

Porém, exceto por raras exceções como é o caso de Dudu ou de Vitor Hugo, considerados nomes de peso pela torcida Alviverde; a maioria dos contratados de Alexandre Mattos não vingou e houve casos de atletas que permaneceram por menos de um semestre na Academia, tendo sido negociados com outros times, como aconteceu com Régis, Ryder Matos, Alan Patrick e Leandro Pereira - este último ficou oito meses no Palmeiras.

Quem são eles?

Leandro Pereira

Atacante, chegou ao Verdão para a vaga de Henrique, então artilheiro palmeirense na pífia campanha do Brasileirão 2014, que, por pouco, não resultou no terceiro rebaixamento do Palmeiras, em pleno ano do centenário do clube.

Publicidade

Mas as boas atuações do argentino Cristaldo fizeram com que Leandro Pereira demorasse a ser utilizado por Oswaldo de Oliveira. No entanto, após conquistar espaço e passar confiança ao treinador, o atleta acabou sendo fundamental no fim do Paulistão 2015 e início do Campeonato Brasileiro do mesmo ano.

Cerca de pouco mais de oito meses após chegar ao time paulista, tendo marcado nove gols em 28 partidas disputadas e atravessando sua melhor fase no Palmeiras, Pereira acabou sendo transferido para o Club Brugge, na Bélgica.

Alan Patrick

Oriundo das categorias de base do Santos, o meio-campista chamou a atenção do futebol ucraniano e acabou sendo contratado pelo Shakhtar Donetsk, no segundo semestre de 2011. Apesar de todo o talento, o brasileiro acabou não correspondendo ao assédio nele investido e, depois de dois anos, foi emprestado, pelo time da Ucrânia, ao Internacional de Porto Alegre. Porém, Patrick permaneceu sem demonstrar o bom futebol que o revelou e o time gaúcho decidiu por devolvê-lo ao Shakhtar.

Publicidade

Mas o Palmeiras entrou na negociação e manteve o atleta em terras brasileiras, anunciando-o como reforço para a temporada 2015, na segunda quinzena de janeiro daquele ano. A intenção dos dirigentes palmeirenses era de preparar Alan Patrick para substituir Valdivia, já que o chileno convivia com inúmeros problemas em sua recuperação pós-lesões, além de não ter, àquela época, nenhuma definição sobre sua permanência no clube de Parque Antarctica, com a renovação de seu vínculo com o time.

Quatro meses depois, lá se foi Alan Patrick para o Flamengo depois de 12 partidas, nenhum gol e muita decepção. 

Ryder Matos

O meia atacante da Fiorentina, apelidado de 'Messi brasileiro', foi emprestado pelo time italiano para vários clubes e o Palmeiras foi um deles. Mas o jovem, de apenas 23 anos, deixou o Alviverde paulista em julho de 2015, após seis meses e apenas três jogos com a camisa do Verdão. 

Régis

Tendo iniciado sua carreira nas categorias de base do São Paulo Futebol Clube, o meio-campista, ex-Sport, fez excelente campanha pelo clube pernambucano em 2015 e acabou por despertar, em dezembro, o assédio de Palmeiras e Fluminense.

Mas Régis não vingou no time de Parque Antarctica e seu empréstimo acabou ficando sob a responsabilidade do Bahia. #PaixãoPorFutebol