Além de Maracanã e Engenhão, reservados para as Olimpíadas do Rio, o #Campeonato Brasileiro perdeu, na tarde desta quarta, mais uma opção de jogos. Atendendo a um pedido da Procuradoria do STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva), o presidente do órgão, Caio Cesar Rocha interditou o Mané Garrincha por tempo indeterminado. Segundo o jurista, o estádio de Brasília não oferece condições mínimas de receber uma partida de futebol. Já para outras atividades, ele está liberado.

A medida foi uma resposta aos incidentes ocorridos no último domingo, quando torcedores de Flamengo e Palmeiras entraram em choque com a Polícia Militar do Distrito Federal no intervalo da partida que acabou vencida pelo time paulista por 2 a 1.

Publicidade
Publicidade

Na ocasião, foi lançado um gás de pimenta que incomodou tanto o restante do público quanto quem estava envolvido no jogo, causando um atraso no reinício do confronto.

De acordo com Caio Cesar, o Mané Garrincha, palco de alguns jogos da última Copa do Mundo e que também será uma das subsedes dos torneios de futebol masculino e feminino das Olimpíadas, só será novamente liberado depois de se apresentarem laudos comprovando a segurança total para a realização desse tipo de evento.

Por conta disso, o clássico da oitava rodada do Campeonato Brasileiro envolvendo Fluminense e Corinthians, anteriormente programado para o Mané Garrincha na quinta, 16 de junho, a partir das 20h (de Brasília), a princípio, deverá ir para outra praça.

Seria a terceira vez do Tricolor das Laranjeiras no Distrito Federal só nesse ano.

Publicidade

As anteriores foram na primeira fase do Campeonato Carioca (derrota de 2 a 1 para o Flamengo) e em uma das semifinais da Primeira Liga, quando arrancou para o título com a vitória, nos pênaltis, sobre o Internacional pelo placar de 3 a 2, após um empate de 2 a 2 no tempo regulamentar. Por outro lado, o Alvinegro de Parque São Jorge, atual campeão brasileiro, jamais exibiu o seu futebol no maior estádio da capital do país desde que ele passou por uma grande reforma. #Justiça #PaixãoPorFutebol