Antes mesmo de o primeiro carro ganhar o circuito de rua de Baku para a programação do GP da Europa de Fórmula 1 (que marca a entrada do Azerbaijão no calendário do circo), alguns trechos do traçado de 6.003m, às margens do Mar Cáspio, já se tornaram motivo de polêmica e preocupação entre os pilotos. Se a reta dos boxes e as primeiras curvas da pista foram definidas pelo tricampeão Lewis Hamilton (Mercedes) como “largos tal qual uma autoestrada”, a sequência de curvas no centro histórico é encarada como foco de problemas nos treinos e na corrida de domingo.

Para que fosse possível usar o trecho que conta com construções medievais e o palácio do governo, o alemão Hermann Tilke, responsável pelo desenho do traçado, foi obrigado a abrir mão de algumas condições de segurança consideradas padrão, para a F-1 atual.

Publicidade
Publicidade

Na sequência, em subida entre as curvas 7 e 12, a largura máxima da pista é de sete metros, sem nenhuma área de escape – na parte que circunda o castelo, a própria torre da edificação serve de limite, já que não houve como instalar a lâmina do guard-rail em aço.

Basta considerar que a largura média da pista nos circuitos permanentes visitados pela categoria supera os 10 metros e que um F-1 tem 1,8m de largura e é possível imaginar que mesmo emparelhar nesta parte – nem é o caso de pensar em ultrapassagem, mas em superar um retardatário, por exemplo, será tarefa impossível neste trecho mais estreito. Se um carro ficar atravessado no local, a tendência é a formação de um engarrafamento que pode mudar completamente a fisionomia da corrida ou forçar a interrupção com bandeira vermelha.

“Se nada acontecer de errado, teremos um fim de semana sem problemas.

Publicidade

A questão é que teremos de torcer para que nada ocorra”, admite Jenson Button, da McLaren. Para o campeão mundial de 2009, embora as condições encontradas em Baku não sejam críticas, a segurança, nesta parte da pista, deixa a desejar. “Lutamos o tempo todo para fazer o esporte mais seguro e aqui há alguns pontos sem qualquer área de escape, com proteção insuficiente. No todo, a pista é muito interessante, mas poderia ser ainda melhor. Não é a condição ideal para acelerar”, completa. #Automobilismo