Por mais distante ou improvável que a possibilidade seja, o governo do Brasil se esforça bastante para persuadir os atletas e visitantes que o Rio de Janeiro estará perfeitamente seguro para a cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos no Estádio do Maracanã, no dia 5 de agosto.

"Nós estimamos que menos de um em cada 500 mil visitantes para o Rio irá contrair o vírus Zika", disse Ricardo Barros, novo ministro da #Saúde do Brasil.

Barros está no cargo apenas há um mês, após o processo de impeachment contra Dilma Rousseff forçar uma mudança de governo, mas ele claramente vem tentando tranquilizar o Brasil e o mundo dizendo que o surto da Zika é a sua prioridade número um.

Publicidade
Publicidade

Preocupação Óbvia

O ministro foi perguntado como o governo poderia ser tão confiante em afirmar que há um risco "quase zero" de contrair Zika, quando o último parecer da Organização Mundial de Saúde (OMS) foi a de que "as mulheres nas zonas afetadas pela Zika deviam considerar adiar a gravidez". "Não há nenhuma contradição", respondeu o ministro Barros. Ainda de acordo com ele: "Estamos trabalhando estreitamente com a OMS, mas os nossos dados mostram que as taxas de infecção Zika caíram 87% este ano já."

Após o conselho da OMS (Organização Mundial da Saúde) que as mulheres grávidas não devem viajar para áreas infectadas pelo Zika, e a posterior comprovação de que o vírus pode ser transferido através do sexo, bem como através da picada de um mosquito infectado, alguns atletas declararam que não estariam participando da Rio 2016. Por outro lado, outros grandes nomes, incluindo o golfista irlandês Rory Mcllroy e a atleta britânica de heptatlo Jessica Ennis, disseram que estariam no Rio, depois de manifestarem preocupação.

Publicidade

As discussões ficaram mais acaloradas por causa uma recente carta pedindo que a OMS recomendasse que os Jogos Olímpicos Rio deveriam ser cancelados por temores sobre o Zika. A carta aberta foi assinada por mais de 200 acadêmicos e especialistas, entre eles a proeminente antropóloga brasileira Deborah Diniz.

"Há um risco evidente para a saúde global ao promover estes Jogos Olímpicos, convidando meio milhão de pessoas para o Brasil", ela argumenta.

Resposta Rápida

Tais argumentos trouxeram uma reação rápida de outros especialistas, que disseram que o surto estava agora sob controle. Os líderes políticos do Rio, incluindo o prefeito, Eduardo Paes, também reagiram. O prefeito Eduardo Paes acredita que as reações sobre o cancelamento dos Jogos Olímpicos são extremamente exagerados. "É uma loucura completa", disse Paes, que também teve de se defender sobre uma série de outros contratempos associados com os Jogos, incluindo atrasos graves às redes de transporte e promessas quebradas sobre limpar os rios cronicamente poluídos da cidade.

Publicidade

O prefeito está convencido de que as campanhas de informação pública e uma maior consciência geral sobre o Zika estão tendo um impacto.

Esperança

Números confiáveis de pessoas que contraíram Zika são difíceis de definir e variam muito de estado para estado, além de não ajudar o fato de que muitos dos infectados mostram poucos ou nenhum sintoma. Ainda há muito para descobrir sobre o vírus Zika, como ele é contraído e que outras condições, além de microcefalia, que ele pode ser responsável por gerar.

O cancelamento dos Jogos Olímpicos seria uma medida extrema nesta fase final e, talvez, de fato, uma medida muito exagerada. A melhor esperança, para os organizadores dos Jogos e as autoridades da cidade do Rio, pode ser uma continuação do tempo extremamente frio que temos tido no Brasil recentemente. As temperaturas estiveram tão baixas, que a população de mosquitos em partes do Brasil podem ter ser dizimadas, para o período dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos, pelo menos. #Rio2016 #Zika Vírus